Ralfi destaca “amizade de infância” e acredita ser o candidato de Rogério Lins a deputado estadual

0
O vereador Ralfi Silva

O Podemos conta com sete candidatos de Osasco a deputado estadual. Se o discurso oficial é que não há problemas com a concorrência, nos bastidores corre uma briga silenciosa pelo apoio do prefeito Rogério Lins, maior liderança da legenda na região. Um dos postulantes da legenda a vaga na Assembleia Legislativa, o vereador Ralfi Silva afirma ter grandes trunfos por uma “ajuda maior” de Lins à sua candidatura. “Existe uma história de amizade, um vínculo entre nós, de infância, de família”.

publicidade

“O prefeito tem feito vários gestos para mim, acredito que a gente tenha uma preferência muito boa do Rogério, até pela história. Fui o primeiro a chegar, a ajudar, a acreditar, quando ninguém acreditou. Então, acredito que ele pode ajudar um pouquinho aos outros, mas sinaliza uma ajuda maior para nós”, destacou Ralfi.

Em entrevista concedida durante visita ao Visão Oeste, o candidato também falou sobre propostas e bandeiras, como a causa animal.

publicidade

Ralfi Silva rebateu os que criticam a implantação de um hospital veterinário em Osasco, previsto para até o fim do ano, enquanto a rede municipal de saúde é alvo de reclamações. “Todas as cidades têm problemas na saúde. Não é porque a saúde tem problemas que a gente vai fechar os olhos para os animais, deixar um cachorro morrer, um gato morrer, um cavalo…”.

O candidato a deputado estadual também comenta a decisão de diferentemente de seu partido, que apoia Márcio França (PSB), fazer campanha por João Doria (PSDB) na disputa pelo governo do estado. “Doria é um cara de visão. Você tem que administrar o que é público como se fosse privado. Tem que enxugar a máquina, usar a tecnologia”.

publicidade

Confira a entrevista completa:

Visão Oeste: Quais suas principais bandeiras para caso seja eleito deputado estadual?

Ralfi Silva: A gente tem duas visões de trabalho. A primeira é regional e a segunda, estadual. Nós nos colocamos à disposição do partido atendendo a um pedido da [deputada federal] Renata Abreu (SP, presidente nacional do Podemos), do prefeito Rogério Lins, tenho o apoio de ambos. Também fiz uma enquete com meu pessoal, o pessoal que eu tenho no WhatsApp e mais de mil pessoas retornaram a resposta, com mais de 90% positivo, de gente concordando com nosso trabalho.
A gente teve também um engajamento muito bom, consegui mostrar bastante trabalho na cidade. Além disso, não respondo nenhum processo, é uma candidatura ficha limpa.
Nós perdemos o Dr. Celso [Giglio, que morreu no ano passado, aos 76 anos], o Marcos Martins (PT) não é mais candidato, Osasco corre o risco de ficar sem deputados estaduais e isso seria muito prejudicial para nós.
A gente vai trabalhar, na nossa cidade, para trazer um Bom Prato para a zona Norte, que é maior que qualquer outra cidade da região, em relação à população; um quartel do Corpo de Bombeiros também; e, para nossa cidade, um Ambulatório Médico de Especialidades (AME), mantido pelo governo do estado, que Itapevi tem, várias cidades da região têm.
Vamos trabalhar também para ampliar o Batalhão de Ações Especiais (BAEP), da Polícia Militar, para o combate à violência. Vamos trabalhar ainda a integração do bilhete entre trem e ônibus, que é muito importante, hospitais veterinários gratuitos por regiões em nosso estado, e trabalharemos também pelo exame do pezinho ampliado em todo o estado de São Paulo. Toda criança que nasce hoje faz o exame do pezinho que detecta seis doenças e o teste do pezinho ampliado detecta 48 doenças e não onera tanto o estado assim.
Na parte do funcionalismo, vamos trabalhar para que a gente coloque um plano de carreira para os professores estaduais, para a área de educação, instituindo 14º salários, estabelecendo metas… também para a Polícia Militar. Vamos buscar ainda a ampliação das delegacias de proteção animal no estado. São essas as principais bandeiras.

Qual o diferencial da sua candidatura?

É mostrar proximidade com o eleitor. Como? Utilizando as tecnologias. Hoje eu tenho um engajamento no Facebook muito grande e nas outras redes digitais também. E fui o primeiro vereador a ter aplicativo, tem WhatsApp do gabinete, fui o primeiro vereador a criar. Então, mantenho essa proximidade com o eleitor. Tem o ‘Ralfi na Sua Casa’ em que eu vou na casa das pessoas conversar com elas, ver as dificuldades, às vezes a pessoa só quer me conhecer. Tenho o ‘Ralfi na Rua’, que é onde vou fiscalizar os órgãos públicos de surpresa, faço live, mostro o que está acontecendo. E agora eu criei o Dia com o Vereador, em que as pessoas vão andar e acompanhar o dia do vereador como é.
Sou o vereador que aprovou mais emendas no Plano Plurianual, das 12 da Câmara; agora, na lei orçamentária, das 13 emendas da Câmara, oito são minhas. São mais de 45 projetos de lei, com destaque para a sanção da Lei Lucas (que prevê capacitação em primeiros socorros a profissionais de ensino), a gente vai trabalhar para ampliar.

A defesa dos animais é uma de suas principais bandeiras e Osasco deve ter, até o fim do ano, um hospital veterinário público, de acordo com a Prefeitura. Há quem celebre a iniciativas e há críticos que reclamam de o município estar investindo em atendimento veterinário público enquanto o atendimento às pessoas na rede de saúde continua abaixo do ideal. Como você responde a essas críticas?

Não é porque a saúde tem problemas que a gente vai fechar os olhos para os animais, deixar um cachorro morrer, um gato morrer, um cavalo… Os animais sentem também. E o animal é muito bom para as pessoas, combate a depressão, é uma companhia, e assim por diante. Então, é caso de saúde pública também. A gente tem que cuidar dos animais, sim.
A saúde nunca vai ser perfeita, infelizmente é uma realidade que a gente vive no país, todas as cidades têm problemas na saúde.

 




 

Como avalia este um ano e meio de gestão de Rogério Lins (Podemos) como prefeito de Osasco?

O nosso prefeito tem feito um esforço muito grande para melhorar a cidade. Ele encontrou diversos problemas. Há grandes avanços em algumas áreas, em outras nem tanto.
Por exemplo, diminuiu a folha de pagamento e se consegue investir mais a cidade; você vê retomada de projetos como novas ambulâncias, reforma de unidades de saúde, ampliação da UTI da maternidade “Amador Aguiar”, dos leitos de emergência do Hospital Antonio Giglio; agora começou a instalar [iluminação pública de] LED; realmente tem uma poda de árvores efetiva; vai entregar 3.001 escrituras, que eu consegui no projeto Cidade Legal, junto com o Geninho Zuliani, que é candidato a deputado federal pelo Democratas; está recapeando as vias.
Tem avanços, mas, por outro lado, a gente precisa, a cada dia, melhorar mais. A gente vê um esforço muito grande do prefeito e a tendência é melhorar muito.

Na Câmara, há sempre uma grande quantidade de requerimentos, de cobranças, e é comum vereadores, até mesmo da base, criticarem secretários. Como está a relação entre o Executivo e o Legislativo em Osasco?

É uma relação sadia, de diálogo. Eu também tenho requerimentos, apesar de ser do partido do prefeito. Não é porque sou do partido do prefeito, líder da bancada do partido, que eu vou passar a mão na cabeça do prefeito. Faz parte do trabalho político do vereador e eu acho importante isso, porque é na crítica que você cresce.

Como avalia o desempenho do governo do estado com relação à região?

O atual [Márcio França, do PSB] ou o que deixou [Geraldo Alckmin, do PSDB]?

O atual dá continuidade ao que deixou, não é?

Não, porque o governador Márcio França está mandando um empréstimo de R$ 30 milhões para recapeamento aqui. Então, já fez um sinal. Mas, até pelo fato de o Dr. Celso [Giglio] hoje faltar, e ele veio doente um tempo, antes de falecer, perdemos muito a interlocução com o governo do estado.
Foi inaugurado o terminal de ônibus do Km 21, na divisa com Carapicuíba, importante para a região. Estive na EMTU, vi o projeto que vai de Itapevi até o nosso terminal [da Vila Yara], onde serão investidos R$ 32 milhões.
Por outro lado, a gente viu fechar o plantão do 1º DP, vê problemas com viaturas, com o baixo efetivo da Polícia Militar, precisa ampliar o efetivo tanto da PM quanto da Polícia Civil. E a gente vai trabalhar isso na Assembleia, bater na porta do secretário de Estado e ele atender.

Você e o prefeito estiveram com a Rota e foi anunciado que a Rota teria uma atuação mais efetiva em Osasco. Como está essa questão?

O comandante Mello Araújo se tornou um amigo meu. Comentei com ele e ele me mostrou os índices de criminalidade, o que leva a Rota a fazer o trabalho dela, para onde ela vai. E a Rota veio para Osasco por que? Primeiro porque houve uma interferência nossa, fui lá e pedi; segundo porque os índices de criminalidade não estavam bons. Então, ele atendeu em menos de sete dias e a Rota veio para cá. No dia que a Rota vem para Osasco a criminalidade cai de 67% a 70%. Vê circulando, a bandidagem fica em casa.

E a Rota continua atuando intensamente em Osasco?

Menos. Devo comparecer lá nos próximos dias e pedir novamente o apoio do nosso comandante Mello Araújo. É importante manter uma relação próxima com a polícia.

Como avalia o desempenho do governo Temer?

Ele deixou muito a desejar, acredito que tenha mais de 20 milhões de desempregados, a gente vê o dólar disparando, a economia sem tanta potência, sem tanta força.

E a candidatura de Álvaro Dias à presidência pelo Podemos?

Voto nele não só porque é do meu partido, é por convicção. Meu voto é do Álvaro. Conheço ele, conversei muito com ele. Uma pessoa que sai do Paraná como governador com 93% de aprovação tem que ser bom. Em 40 anos de vida pública, nunca perdeu uma eleição. O principal projeto dele é o fim do foro privilegiado. Ele é preparado, já mostrou isso pelo Paraná, abriu mão da aposentadoria como governador, é um cara que tem conduta, é exemplo, e tem experiência para governar nosso país.

E as outras candidaturas à presidência colocadas?

A candidatura do Lula eu prefiro não comentar porque ele não pode ser candidato. O Bolsonaro… se você toma muita água… água faz bem, mas se você tomar muita, vai te fazer mal. Tudo que você vai para o extremo, para o radical, é perigoso. O Alckmin é um quadro positivo para o país, é um cara preparado, experimentado.

Como avalia a candidatura de João Doria (PSDB) ao governo do estado?

Muito positiva. Apesar de ele ter ficado pouco tempo na Prefeitura [de São Paulo], ele mostrou a que veio.

Mas seu partido, o Podemos, apoia o Márcio França (PSB) para o governo do estado.

Tenho uma amizade muito grande com o Rodrigo Garcia (DEM, vice de João Doria na disputa ao governo do estado), então, devo caminhar com o João Doria.

E como fica a relação com seu partido?

Respeito o Márcio [França], não tenho nada contra ele. Mas você tem que ter um posicionamento na vida. Então, a gente caminha hoje… vamos acelerar São Paulo. O Doria é um cara preparado, São Paulo precisa dele. É um cara de visão, a vida dele é um exemplo do que ele pode trazer para a administração pública. Você tem que administrar o que é público como se fosse privado. Tem que enxugar a máquina, usar a tecnologia.

E em relação às dobradas que você fará na campanha a deputado estadual?

Tenho dobrada com a Renata Abreu e com o Geninho Zuliani, que é do Democratas, candidato do Rodrigo Garcia. É meu amigo pessoal, prefeito de Olímpia por duas vezes. Nós vamos trabalhar ele aqui e ele tem o compromisso de ajudar a cidade.

O Podemos tem sete candidatos a deputado estadual em Osasco. Não são muitos candidatos?

Toda candidatura é legítima. Você vê candidaturas maiores e menores, mas, para você ganhar a eleição, tem que ser candidato.
A princípio, o candidato único seria eu. O governo e a Renata escolheram polarizar, não tem problema nenhum, mas fui autorizado a trazer uma pessoa que se tornou parceiro de Osasco já, que é o Geninho Zuliani.

E como está a disputa no Podemos para ser o candidato do prefeito Rogério Lins? Quem é o candidato do prefeito? Em quem ele vai votar para deputado estadual?

Ele vai votar no 19 (risos). O prefeito tem feito vários gestos para mim, acredito que a gente tenha uma preferência muito boa do Rogério, até pela história. Fui o primeiro a chegar, a ajudar, a acreditar, quando ninguém acreditou. Então, acredito que ele pode ajudar um pouquinho aos outros, mas sinaliza uma ajuda maior para nós.
Existe uma história de amizade, um vínculo entre nós, de infância, de família. Então, acredito, e nosso prefeito tem sinalizado já, que vai nos ajudar muito. E também ele tem pesquisas que mostram que a possibilidade de eleição nossa é muito grande.

Comentários