Reintegração de posse gera embate político em Carapicuíba

2
Marcos Neves, Professora Sônia e Sergio Ribeiro carapicuíba
Marcos Neves, Professora Sônia e Sergio Ribeiro

A reintegração de posse de um terreno na Cohab V na qual viviam mais de 700 famílias, na manhã desta quinta-feira (12), gerou embate político entre o prefeito Marcos Neves (PV) e dois dos cotados como principais adversários dele na disputa pela Prefeitura de Carapicuíba em 2020: o ex-prefeito Sergio Ribeiro (PT) e a ex-vereadora Professora Sonia (PSD).

publicidade

A área pertence à Cohab, que conseguiu na Justiça a desocupação, que ocorreu pacificamente, apesar dos temores gerados por protestos com barricadas e atos de vandalismo, como a queima de um ônibus em protesto contra a reintegração de posse.

O prefeito Marcos Neves insinuou que a gestão passada, de Sergio Ribeiro (PT), era conivente com ocupações irregulares e afirmou que as famílias carapicuibanas que viviam no terreno serão incluídas em projetos habitacionais junto ao governo do estado.

publicidade

O ex-prefeito Sergio Ribeiro (PT) rebateu e acusou de Neves “abandonar” as famílias que moravam na área. “Para dizer, num momento tão difícil dessa população sofrida, que não pode fazer absolutamente nada… Então, de que vale ser prefeito?”, declarou.

Professora Sônia também entrou na questão e acusou a atual e gestões anteriores de “empurrar com a barriga” o problema do déficit habitacional em Carapicuíba. “Há anos os prefeitos empurram com a barriga e não assumem um compromisso de fazer um planejamento para proporcionar habitação popular na cidade”.

publicidade

Comentários

2 COMENTÁRIOS

  1. Prefeito Pôncio Pilatos Neves virou as costas para as famílias carentes. Sem defender invasão. Mas defendendo humanidade.

  2. Todo apoio ao prefeito Marcos Neves. A gestão anterior foi extremamente conivente com invasões apenas por questões eleitoreiras. Carapicuíba é uma cidade intensamente povoada e com pouquíssimas áreas livres e de lazer, dizer que se deve encontrar opções habitacionais numa cidade que não têm capacidade de receber mais gente é também mais um discurso, exclusivamente, eleitoreiro. A população da Cohab que, com muito sacrifício, veio morar, há 40 anos, numa cidade pobre mas planejada, se ressente do que foi feito com nossas áreas de convivência.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorIntegração com CPTM deve ser próxima fase do Bilhete Único em Osasco, diz novo secretário
Próximo artigoConfira novas vagas abertas no Portal do Trabalhador, em Osasco