Rene do Rap e o VideoVerdade

Rene do Rap e o VideoVerdade

1
Compartilhar

P1070670Leandro Conceição

Morador de Cotia há mais de 20 anos, Rene do Rap é um dos precursores do rap nacional. Começou nos anos 1980 e tem entre suas canções de destaque “Regina” e “Rap do Wheeling”, entre outras.
Hoje, além do rap, se dedica ao projeto VideoVerdade, um site com reportagens em vídeo na internet criado em  2006 para ser “uma mídia independente, legítima, de um rapper com pensamento jovem e politizado”. O endereço é: www.videoverdade.com.br.
“Nossa TV é muito pobre, segue uma cartilha. Nós [com o VideoVerdade] estamos próximos do processo político e queremos abrir espaço para projetos da periferia, para mostrar a periferia”, afirma Rene do Rap.
Entre os temas de reportagens, entrevistas com nomes do rap como Pepeu e NdeeNaldinho, projetos sociais e entrevistas com políticos da região.


P1070642“De coisa ruim o Datena já fala”

Rene destoa da visão que a maioria dos rappers do país tem sobre assuntos como violência policial e até os dramas apontados em boa parte das letras. “O rap tem que apresentar mais soluções do que problemas”, avalia.
Para ele, o estilo “tem de ser aberto para falar de tudo, porque na periferia tem de tudo”. “Este estilo de rap que só fala coisa ruim só serve para diminuir a auto-estima do nosso povo. De coisa ruim o Datena já fala”. Rene do Rap avalia ainda que “o policial é outra vítima do sistema, um marionete dos políticos”.
Ele foi um dos primeiros rappers a disputar eleição, em 1999, e diz que os rappers devem ter mais envolvimento na política. “Tenho sete candidaturas a vereador. Sou um derivado da periferia com visão política”.

P1070672“A classe política gera raiva no povo de propósito, porque viram que o povo se afastou da política e isso é melhor para eles”, analisa.
Rene não se define nem de esquerda, nem de centro, nem de direita. “Sou um cara do rap”, resume. Sobre identificação partidária, o rapper, que já foi de partidos como PRONA, PSC e PRB, afirma que as legendas “só servem para dar o número [do candidato], para mais nada. Você tem que acreditar é nas pessoas”.

 

Compartilhar

Comentários