Rogério Lins questiona pesquisas em que aparece em terceiro

1

IMG_20160815_121700524_HDR

publicidade

O vereador e candidato a prefeito de Osasco Rogério Lins (PTN) minimiza o fato de ter feito parte da base aliada dos governos Emidio de Souza (PT) e Jorge Lapas (PDT). Lins diz que, apesar de ter indicado cargos na administração municipal, manteve posição “independente” na Câmara Municipal. “O Emidio quis fechar a FAC-Fito e eu marchei junto com a oposição. Com o Jorge tenho vários episódios em que fui contra na Câmara. Chega um momento da vida em que você vai entendendo que aquele não é mais o seu caminho”, afirmou.

Lins foi o terceiro candidato sabatinado pelo Visão Oeste. A entrevista foi transmitida ao vivo pelo Facebook.

publicidade

Lins também rebateu críticas do prefeito Lapas com relação à sua produtividade como vereador. O que me surpreende é que até há alguns meses ele me elogiava. Falava que eu era o vereador mais atuante da cidade”, diz. O candidato diz que apresentou 32 projetos de lei desde que foi eleito, em 2008. “Infelizmente alguns têm vício de origem ou inconstitucionalidade, porque oneram o município”. Ele cita um projeto de lei que obriga a presença de pediatras nas UPAs, projeto para aumentar o efetivo policial na cidade, entre outros. Além de se defender das críticas, Rogério Lins alfinetou o prefeito por não ter sido vereador antes de eleito prefeito.

publicidade

O candidato diz que há muita insatisfação com o atual governo e questiona as recentes pesquisas eleitorais divulgadas em jornais da cidade, que mostram Celso Giglio (PSDB) e Jorge Lapas (PDT) empatados na liderança. “As pesquisas que realizamos internamente não mostram esses números. Estamos muito bem colocados, empatados tecnicamente na segunda posição, e a gente percebe que o primeiro colocado está mês a mês numa decrescente”, diz.
Entre os diversos temas, Lins destacou a saúde pública. Ele promete a construção de um hospital da mulher e critica o atendimento. “O que a gente ouve na cidade é que a saúde está na UTI. A gente ouve os relatos de falta de médicos e medicamentos”, afirma. Segundo o candidato, o atual secretário de Saúde está “engessado” porque “o salário do médico em Osasco é um dos mais baixos da região”.

Rossi
Ana Maria Rossi (PR) foi escolhida vice na chapa, quando o esperado era que seu marido, o ex-prefeito Francisco Rossi (PR) fosse o indicado. Rossi admitiu que “a vice dos sonhos do nosso candidato era a Ana Paula Rossi”, sua filha, mas ela preferiu a candidatura a vereadora.

Comentários

1 COMENTÁRIO

  1. Boa tarde. Parabéns pela iniciativa em dar espaço aos candidatos.

    Gostei muito da entrevista do Rogério. Realmente, ele se expressa muito bem e, mais que isso, transmite confiança quando se pronuncia sobre os temas que dizem respeito à nossa cidade. Entretanto, fiquei incomodado com a figura decorativa de sua vice (que não disse uma palavra em toda a entrevista concedida). O argumento sobre a escolha em prol da causa das mulheres não convence e na minha opinião não passa de medidas estritamentes eleitoreiras (estratégicas). Outra observação: alguns comentários do Rossi dá a ideia de que a eleição é um fim, quando na verdade seria o início de um período de muito trabalho caso o Rogério se eleja; E isso me causa dúvida em relação aos discursos do Rogério…

    De qualquer forma, obrigado pelo material. Certamente será levado em conta na minha decisão.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAção visa reduzir acidentes de trânsito pela metade até 2020
Próximo artigoVisão Atenta: Para Rossi, Celso Giglio não reverte inelegibilidade