STF devolve cargo a Gil Arantes

1

Prefeito ficou 16 dias fora da prefeitura de Barueri após decisão do TJ-SP /  Foto: Flavio Costa
Prefeito ficou 16 dias fora da prefeitura de Barueri após decisão do TJ-SP / Foto: Flavio Costa

publicidade

Fernando Augusto

Afastado desde o último dia 24, o prefeito de Barueri, Gil Arantes (DEM), voltou ao cargo nesta quinta-feira, 12, após liminar concedida pelo ministro Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). Gil estava fora da prefeitura devido a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo que determinava sua saída enquanto corre processo criminal contra ele por desvio de verbas e lavagem de dinheiro.

Liminar de Ricardo Lewandowski saiu na quarta-feira à noite

publicidade

O prefeito é investigado após denúncia do Ministério Público que revelou suposto esquema de pagamentos superfaturados a donos de terrenos desapropriados pela prefeitura entre 1997 a 2000 e de 2001 a 2004, nas duas primeiras gestões de Gil à frente do Executivo municipal. No ano passado, o prefeito de Barueri já havia sido alvo do bloqueio de bens.

Enquanto prefeito, Jaques Munhoz falou de desafios 

Vice volta à Secretaria de Educação / Foto: Eduardo Metroviche
Vice volta à Secretaria de Educação / Foto: Eduardo Metroviche

publicidade

O vice-prefeito, Jaques Munhoz (PTB), agora volta à secretaria de Educação. Em entrevista exclusiva concedida ao Visão Oeste na quarta-feira, 11, ainda no exercício do cargo de prefeito, ele disse que um dos principais desafios da prefeitura no momento é fazer cortes no orçamento, devido à arrecadação menor do que a esperada em 2014. A estimativa é de um corte de R$ 55 milhões neste ano.

Além disso, o município ainda trabalha para cumprir um Termo de Ajuste de Conduta firmado em 2012 com o Ministério Público que determina a redução na quantidade de cargos comissionados (de confiança) e a substituição por servidores concursados.
Apesar das dificuldades o vice-prefeito destacou algumas realizações, como a revitalização dos centros comunitários e melhorias na área da Saúde. “Havia 60 mil pessoas na fila para fazer exames. Hoje o prazo é de cerca de dois meses”, afirmou Jaques Munhoz.

Comentários