STF veta doação de empresa para campanha política

1

Em sessão tensa, Supremo decidiu por 8 a 3 que doações empresariais são inconstitucionais / Foto: Carlos Humberto/SCO/STF
Em sessão tensa, Supremo decidiu por 8 a 3 que doações empresariais são inconstitucionais / Foto: Carlos Humberto/SCO/STF

publicidade

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira, 17, proibir o financiamento privado de campanhas políticas. A Corte encerrou o julgamento, iniciado em 2013, de uma ação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que questionou artigos da Lei dos Partidos Políticos e da Lei das Eleições.
Esses artigos autorizam as doações de empresas para partidos políticos e candidatos. Por oito votos a três, o Supremo entendeu que as doações desequilibram a disputa eleitoral.
Com a decisão do STF, as doações de empresas nas eleições passam a ser proibidas. No entanto, a polêmica sobre o assunto não está encerrada. Semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou um projeto de lei para regulamentar as contribuições.
O texto aguarda decisão da presidenta Dilma Rousseff sobre sanção ou veto. Se a presidenta sancionar a lei, será preciso uma nova ação para questionar a validade das doações no Supremo, devido a posição contrária adotada pelo tribunal.
O deputado federal Valmir Prascidelli (PT-SP) disse que a decisão é “histórica para a democracia brasileira”. “A tendência é diminuir o custo das campanhas e que, a partir de agora, se privilegie o debate de propostas e ideias [nas campanhas eleitorais]”, disse o parlamentar osasquense.
Prascidelli criticou a postura do ministro do STF Gilmar Mendes, que pediu vistas segurando o julgamento por 1 ano e meio e, ao votar na quarta-feira, 16, usou seu discurso para criticar o PT. Mendes também se retirou do plenário quando a palavra foi dada para a OAB. “O resultado mostra o tipo de magistrado que é Gilmar Mendes, que se utilizou de uma prerrogativa que tem para segurar o processo por um ano e meio, para proteger os interesses dos que defendem a continuidade de um instrumento que potencializa a corrupção”, afirmou o deputado.

publicidade
Comentários

1 COMENTÁRIO

  1. A presidenta Dilma acompanhou o STF, na decisão de vetar a doação de empresas para campanha política.
    Essa é uma das mais importantes decisões, pois o que se espera com isso, é que finalmente os empresários doadores, deixem de ter o governo nas mãos.
    O indivíduo que quer ser candidato e não tem condições de bancar os gastos de campanha, que arrume outra coisa pra fazer.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAudiência pública
Próximo artigoNova CPMF iria até 2019