Tecnologia ajuda a economizar na compra do material escolar

0

Diferença de preços varia até 192% no estado, segundo levantamento do Procon / Fotos: Eduardo Metroviche
Diferença de preços varia até 192% no estado, segundo levantamento do Procon / Fotos: Eduardo Metroviche

publicidade

Com a volta às aulas prevista para a primeira semana de fevereiro as livrarias, papelarias e lojas especializadas em material escolar estão cheias de compradores de última hora. Esse ano, segundo a Fundação Procon, os preços dos itens variam até 192% no estado de São Paulo. A entidade pesquisou 222 produtos em dez lojas diferentes. Os impostos chegam a representar 47,49% do preço dos itens.

Pesquisar e comparar preços é a melhor saída

A comparação e pesquisa de preços em vários locais ainda é a melhor saída para economizar. Quem prefere economizar tempo de deslocamento pode utilizar as tecnologias em se favor. O aplicativo Dica de Preço é gratuito e funciona como uma rede social onde os usuários compartilham informações de produtos e preços livremente. Segundo o desenvolvedor do aplicativo, Leonídio Filho, “o intuito é ajudar as pessoas a trocarem informações sobre preços para que elas mesmas consigam se organizar”.

publicidade

O aplicativo roda em navegadores comuns como Google Chrome e pode ser instalado nos sistemas Android e iOS. Também podem ser úteis sites de comparações de preços, como Buscapé e Zoom.
Além da variação dos preços outro problema encontrado pelos pais é saber quais são os materiais que as escolas podem ou não incluir na lista.

No ano passado, o Congresso Nacional aprovou lei que proíbe as escolas de incluir na lista de materiais itens como papel ofício em grandes quantidades, papel higiênico, álcool, flanela e outros produtos de limpeza de escritório. A clausula só é considerada nula caso as exigências desses produtos constem no contrato firmado entre a escola e os pais.
Também é proibido as escolas criarem taxas de material escolar para compensar gastos com o que não pode ser incluso na lista. Caso a escola não coopere os pais podem procurar a unidade mais próxima do Procon.

publicidade

Uniforme Escolar
No caso do uniforme escolar, o Procon de Barueri informou que somente se a escola possuir uma marca registrada poderá obrigar que a compra seja feita em estabelecimentos pré-determinados.
A escola deve adotar critérios para a escolha do uniforme levando em conta a situação econômica do estudante e de sua família, assim como as condições de clima da cidade em que a escola funciona. Além disso, o modelo do uniforme não pode ser alterado antes de transcorridos cinco anos de sua adoção.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorReceitas e Temperos
Próximo artigoVisão na Rede