TJSP avalia denúncia contra empresário que humilhou PM em Alphaville; MP pede multa de R$ 100 mil

0
empresario pm alphaville
“Não pisa na minha calçada, não pisa na minha rua. Eu vou te chutar na cara, filho da p...”, disse empresário Ivan Storel a policial militar

O Tribunal de Justiça de São Paulo deve avaliar, nesta quarta-feira (10), a denúncia do Ministério Público contra o empresário Ivan Storel, que foi gravado humilhando um PM em Alphaville. Na denúncia, o MP pede que o empresário pague uma multa de R$ 100 mil.

No documento protocolado na última sexta-feira (5), a promotora de Justiça, Renata Caetano Fuga, propõe suspensão condicional do processo no período de dois anos, caso o acusado pague R$ 100 mil, por ter declarado renda mensal de R$ 300 mil.

Entre as condições para a suspensão temporária do processo, também está o comparecimento mensal em juízo por dois anos, a proibição de frequentar bares, boates e demais estabelecimentos que haja consumo de bebida alcoólica, além da proibição de mudar de endereço sem autorização judicial prévia.

Publicidade

Ivan Storel também teria de se submeter ao tratamento psicológico e comparecer, com sua mulher, ao Núcleo de Prevenção de Acidentes e Violências de Santana de Parnaíba.

O caso

No dia 26 de maio, dois policiais militares compareceram à casa de Ivan Storel para atender ocorrência feita pela esposa dele, que estaria sendo ameaçada pelo empresário. Ao chegarem no local, os policiais foram desacatados e ameaçados por Ivan Storel.

O empresário gritou aos PMs: “Você é um b…. É um m… de um PM que ganha mil reais por mês, eu ganho 300 mil reais por mês. Quero que você se f…, seu lixo do c…”. Ivan Storel afirmou ainda: “Você não me conhece. Você pode ser macho na periferia, mas aqui você é um b…. Aqui é Alphaville, mano”. Ele também chamou a policial militar feminina de “p…”.

Com a grande repercussão do vídeo e as críticas recebidas, Ivan Storel gravou um pedido de perdão à Polícia Militar, dizendo que estava sob efeito de álcool e remédios e que passa por tratamento psiquiátrico.

Comentários