Uber vai pagar US$ 20 milhões a motoristas após acordo judicial

Uber vai pagar US$ 20 milhões a motoristas após acordo judicial

14
Compartilhar

Publicidade

Nesta terça-feira (12), a Uber concordou em pagar 20 milhões de dólares, valor equivalente a mais de R$ 76 milhões, a motoristas de seu aplicativo que moveram uma ação na Justiça para que fossem reconhecidos como funcionários e não como freelancers, nos Estados Unidos.

O processo foi aberto em 2013, quando 385 mil motoristas do aplicativo se uniram para reivindicar, através da ação judicial coletiva conhecida como “O’Connor v. Uber”, que não queriam ser classificados como terceiros. O grupo alegava que, por serem reconhecidos como freelancers, a Uber evitava o fornecimento de benefícios que um emprego formal oferece, como afastamento médico remunerado, seguro de saúde, entre outros.

A ação quase foi encerrada em 2016, quando a Uber aceitou pagar US$100 milhões aos 385 mil condutores, desde que aceitassem a classificação de colaborador. No entanto, um juiz da Califórnia rejeitou o acordo por achar a quantia insuficiente.

No ano passado, a Suprema Corte dos EUA publicou uma decisão que reforça o poder dos empregadores, protegendo-os de ações coletivas. Logo após essa decisão, a Corte de Apelos dos EUA reverteu um parecer dado ao processo, afirmando que as ações coletivas seriam proibidas. A medida reduziu o tamanho do grupo de motoristas envolvidos na ação para cerca de 13 mil.

Os condutores removidos pela decisão do tribunal terão que seguir com as reivindicações individualmente.

De acordo com uma das advogadas que representam os motoristas na ação judicial, o acordo prevê o pagamento de aproximadamente 37 centavos por 1,5 km percorridos pelos condutores da Uber.

Além de concordar em pagar, o aplicativo, afirmou que vai explicar melhor a sua política de desativação aos motoristas, além de criar um processo que possa ajudar os condutores desativados a voltar para a plataforma.

No Brasil, projeto quer limitar taxa cobrada por aplicativos de motoristas

O Projeto de Lei 448/19 limita a taxa cobrada dos motoristas pelos aplicativos de transporte individual, como Uber, 99 e Cabify, a 10% do valor da corrida realizada. A proposta tramita na Câmara dos Deputados.

O texto foi apresentado pelo deputado Igor Timo (Pode-MG). Ele afirma que plataformas como o Uber têm sido uma saída buscada pelos brasileiros para enfrentar a crise econômica, marcada por desemprego e queda de renda. Timo entende, porém, que as empresas não podem praticar taxas “exploratórias” dos motoristas parceiros.

Tramitação
O projeto será analisado em caráter conclusivo pelas comissões de Viação e Transportes; Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços; e Constituição e Justiça e de Cidadania. (Da Agência Câmara Notícias)

Compartilhar

Comentários

11 Comentários

  1. Nós motorista de aplicativos temos que ser mais unidos contra essas taxas absurda que só os aplicativos ganham agente ganha mesmo é muita dor de cabeça . Acaba com carro corremos risco de vida tanto de assalto como de acidentes em fim . Trabalhamos muito e ganhamos pouco.

  2. O problema é que a porcentagem é muito alta mais se vc trabalha com meta como eu de 200 por dia no final do mês vc terá 4.800 mês livre agora tem que chegar em casa e guardar ou depositar o dinheiro

  3. Ela (Uber) me excluiu da plataforma sem mais sem menos, o que faço ? Para poder voltar alguém pode me ajudar ??

  4. Eu tenho uma despesas de 4,700.00 reais com o meu carro entre, prestação,seguro.combustivel, e o aplicativo.que tem corrida que chega até 42’9+8% e muita coisa.mas preciso trabalhar. E pagar minhas contas.

  5. Vc precisa ser um bom administrador……e tb ter conciencia de q esses aplicativos não pode ser seu único meio de renda.isso era p ser so um complemento de sua renda mensal.pois veículos dar despesas. E se vc não souber administrar um veículo amigo……sai fira enquanto é tempo.

  6. Eu trabalho das 0500 horas da manhã. Até às 19.00 horas. . todos os dias.sem descanso.para poder tentar sobreviver.e muito difícil.mas to aí na luta.

  7. Eu também concordo com os deputados federais estaduais do legislativo.pos nós motorista parceiros da Uber. Trabalhamos feito loucos.e não tenho visto o lucro.porque.hoje tem muito mais muito concorrente.e muito motorista parceiros na plataforma.entao por isso ,não conseguimos más.os ganhos hoje são muito pouco. Porque nós motorista parceiros.pagos prestação do carro.pagamos seguro do carro.pagamos preços abisurdoo nós combustível.e mas a taixa do aplicativo Uber. Que hoje e variadas amente, só o aplicativo que ganha com isso.gostaria muito que alguém realmente tomasse as devidas providências sobre nossos serviços prestados a Uber e a nossa Massa família trabalhadora brasileira.obrigado.

  8. Voce deve ser mais um que é Uber vive reclamando mais não sai do aplicativo vive online trabalhando !! Param de ser chatos !

  9. A ubet cobra ate 40% d motorista por corrida si a uber cobrasse 10% ainda assim seria muito .sem conta os roubos d selular .dinheiro .carro.alguns motoristas sao ate mortos .alem disso sao umilhados i mau avaliados por passageiros q porq estao trabalhando nao si emportao com os motoristas q tem suas contas i familia

  10. A UBER assumiu o Brasil. Faz o que bem entende pq infelizmente o governo despreza o seu povo. Se o governo gerasse emprego a UBER teria que pagar para trabalhar
    Além disso, a UBER rasgou a nossa legislação. Quer um exemplo? O código de trânsito brasileiro prevê o uso de CHAPA VERMELHA para todos os veículos que prestam serviço de transporte de carga ou passageiros. E CADÊ as chapas vermelhas? A quem interessa permitir esse descaso com a nossa legislação? Ah! Mala Preta? Opa! Desculpa aí hein!

  11. Se incluíssem na conta a depreciação do carro os motoristas veriam que na verdade não ganham nada!!!

Faça seu comentário

Mais notíciasSenado aprova multa para quem impedir amamentação em local público
Mais notíciasAção da Sica e Secontru reduz ambulantes “paraquedistas” no Calçadão de Osasco