Venda de carros usados cresce

0

Modelos mais procurados são populares completos e com baixa quilometragem, diz representante de concessionária
Modelos mais procurados são populares completos e com baixa quilometragem, diz representante de concessionária

publicidade

Na contramão das dificuldades enfrentadas nas vendas dos 0km, os veículos seminovos e usados têm sido a bola da vez em meio à crise econômica no país. A comercialização de usados cresceu 4,1% no primeiro semestre em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com dados da Federação Nacional das Associações de Revendedores de Veículos Automotores (Fenauto).
“[A federação] está satisfeita com os resultados obtidos, em meio a um cenário econômico difícil enfrentado por praticamente todos os segmentos da sociedade”, destacou a Fenauto.
Na CAOA Seminovos em Osasco, as vendas de usados estão mais aquecidas do que a média do mercado, afirma o gerente, Ricardo Ramos. Ele cita como exemplo os resultados de julho deste ano, quando as vendas dobraram com relação ao mesmo mês do ano passado.
“Aqui em Osasco estamos indo bem, melhor que no ano passado, atingindo as metas sempre”, comemora. “Acredito que até setembro vamos atingir o mesmo número do total vendido em todo o ano passado”. Os modelos mais procurados são os populares completos e com baixa quilometragem.
Um dos segredos para se sobressair na crise é “procurar saber quais são as necessidades do cliente e atendê-las bem”, diz o gerente da CAOA Seminovos Osasco. “A gente se preocupa [com o momento econômico do país], mas temos que correr atrás, ‘trabalhar’ o cliente”.
A rede também trabalha veículos 0km, cujas vendas têm se mantido estáveis, diz Ricardo Ramos.

Produção e comercialização de 0km em queda

publicidade

A produção de veículos 0km caiu 18,5% e as vendas diminuíram 20,7% no primeiro semestre deste ano com relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).
A expectativa da Anfavea é que haja uma retomada no mercado a partir do segundo trimestre do ano que vem.

publicidade
Comentários