Veto à portabilidade de crédito consignado é a principal queixa contra bancos

1
Foto: reprodução

A restrição à portabilidade de crédito consignado foi a principal queixa de clientes de bancos e de financeiras registrada no Banco Central (BC), em maio. No total, foram registradas 1087 reclamações desse tipo, com indício de descumprimento de lei ou regulamentação. A competência de supervisão é do BC.

publicidade
Débito em conta não autorizado pelo cliente e problemas relacionados ao sigilo também foram motivos de queixas / Foto: reprodução
Débito em conta não autorizado pelo cliente e problemas relacionados ao sigilo também foram motivos de queixas relacionadas às instituições bancárias / Foto: reprodução

Desse total, 676 foram registradas contra o Bradesco, 289 contra o BNP Paribas e 26 contra a Caixa Econômica Federal.

Em segundo lugar no ranking das reclamações mais frequentes estão as irregularidades relativas à situação em que as instituições financeiras não asseguraram integridade, confiabilidade, segurança, sigilo ou legitimidade das operações e serviços, com 547 casos. Em seguida, vem o débito em conta não autorizado pelo cliente (228).

publicidade

Em maio,o Bradesco liderou o ranking de reclamações. Para fazer o ranking, as reclamações são divididas pelo número de clientes da instituição financeira que originou a demanda e multiplicadas por 1 milhão. Assim, é gerado o índice, que representa o número de reclamações de cada instituição financeira para cada grupo de 1 milhão de clientes. No caso do Bradesco, o índice ficou em 15,64, com 1185 reclamações consideradas procedentes.

Em segundo lugar no ranking de maio, está a Caixa Econômica Federal, com índice de 9,63. Em terceiro lugar ficou o HSBC, com 8,73. Esses dados são de bancos e financeiras com mais de 2 milhões de clientes

publicidade

No caso de bancos e financeiras com menos de 2 milhões de clientes, o BNP Paribas liderou a lista com índice de 308,66. Em segundo lugar está o Banco Bonsucesso, com índice em 160,64. Em terceiro lugar ficou o Societé Generale, com 93,15.

Agência Brasil

Comentários