Violência e estupidez: até quando?

0

A recente tragédia no estádio de Oruro, na Bolívia, na partida entre Corinthians e San José pela Copa Libertadores, traz de volta toda a velha discussão sobre as torcidas organizadas e seu papel na violência nos estádios. Tite, técnico do Corinthians, tem razão de chorar a morte do garoto Kevin Espada, de apenas 14 anos, atingido por um sinalizador, supostamente disparado por integrantes da torcida corintiana.
O Brasil, que já foi considerado o melhor futebol do mundo, vai assim deixando seu brilho ser ofuscado pelo sombrio comportamento dos terríveis hooligans, o grupo de torcedores que assombram os embates esportivos na Europa. Massa ensandecida? Impunidade? Falta de consciência? Sim, tudo isso e muito mais, resumido numa única expressão: estupidez humana.

publicidade

Quantos filhos deixaram e ainda deixarão de frequentar os estádios?

Quantos filhos deixaram e ainda deixarão de frequentar os estádios, reduzindo o futebol, cada vez mais, a apenas xadrez de cartolas e contratos televisivos milionários, para longe do que já foi a proveitosa e compartilhada diversão familiar?
Podemos louvar os esforços do Grêmio Esportivo Osasco, com sua bem sacada distribuição de “kits bebês” aos osasquenses recém chegados – esforços marqueteiros, é fato, mas ainda assim imbuídos do mais salutar espírito esportivo. Mas episódios como este, em Oruro, nos fazem lembrar que é ainda mais importante a torcida – e a ação – contra a estupidez humana. Só assim vamos garantir que esses novos torcedores possam aproveitar boas horas de diversão e lazer nos estádios brasileiros, ainda mais com uma Copa do Mundo que se avizinha.

publicidade

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA relação entre anunciante, apresentador e emissora
Próximo artigoFrases