Virada do Rock quer virar 24 horas em Osasco

Virada do Rock quer virar 24 horas em Osasco

10
Compartilhar
Ideia do evento cresceu por meio do Facebook / Foto: Jess Araújo

William Galvão

Realizada no último fim de semana (dias 22 e 23), a 1ª Virada do Rock de Osasco atraiu cerca de 2 mil pessoas nos dois dias de evento e contou com 14 bandas. A organização do festival, realizado em parceria com o Circuito Rock´In Resgate, pretende ampliá-lo para 24 horas, uma vez por ano, como na Virada Cultural de São Paulo.

Ideia do evento cresceu por meio do Facebook / Foto: Jess Araújo
Ideia do evento cresceu por meio do Facebook / Foto: Jess Araújo

De acordo com um dos idealizadores, Fabrício Nickel, a ideia surgiu depois que o palco rock foi excluído da programação da Virada Cultural desse ano. “Lancei a ideia através do Facebook explicando o ocorrido, pedindo ajuda para montarmos o nosso próprio palco rock. Para minha surpresa, muita gente compartilhava da mesma indignação e todos foram oferecendo ajuda”, explica Nickel.

Publicidade

Para Fabrício, a região não tem apoio a eventos como esse. “Além da falta de espaços, o apoio político para este tipo de evento é quase nulo, quando não é contrário. As poucas iniciativas esbarram na falta de patrocínios e de apoio dos órgãos da administração pública”, afirma. Além da ampliação, a Virada do Rock tem intenção de chegar a outras cidades da Região Metropolitana de São Paulo. Já o circuito Rock´In Resgate, de Edson Lima, o Siri, deve acontecer trimestralmente na cidade, sempre em um bairro diferente.

O Festival

Publicidade

Apesar do frio, muita gente resolveu sair de casa e conferir o evento. A estrutura contou com palco principal, banheiros químicos e stand com camisetas e trabalhos de divulgação das bandas à venda. O guitarrista do Electric Age, Luiz Felipe Cardim, disse estar satisfeito. “Apesar do horário do show (pela manhã) não imaginávamos ser tão bem recebidos”. A estudante Larissa de Oliveira pretende participar sempre. “Achei legal porque não teve violência nem aquela bagunça da Virada Cultural.

Eu consegui ver todas as bandas bem de perto”, disse. Já a designer Amanda dos Santos acredita que a programação precisa melhorar. “Legal as bandas independentes, eu gostei, mas acho que se não tiver pelo menos uma banda grande ou mais conhecida a chance de crescer é menor”. Entre as bandas que se apresentaram estão A.V.C, Metranka, Kamboja, Comanche Rock Furia, Makinaria Rock, Electric Age, Haavoc, Infector Cell.

Compartilhar

Comentários