Visão Atenta

0

Comissão da Verdade
A sessão na Câmara de Osasco que aprovou a Comissão Municipal da Verdade teve na plateia a presença de ex-militantes políticos que viveram na pele a perseguição durante o período da ditadura civil-militar, entre eles o jornalista que militou na Vanguarda Popular Revolucionária Antonio Roberto Espinosa, um dos articuladores para a criação da comissão, e Roque Aparecido, que também militou na VPR e perdeu o irmão torturado pelos militares em 1969.

publicidade

História viva
O vereador Jair Assaf (PROS) lembrou o período da ditadura, à qual se refere sempre como ‘revolução’. “Vi na Câmara alguns vereadores sendo presos porque tinham tendência à esquerda ainda antes da revolução”, recordou. Também disse que seu pai, o então presidente da Câmara de 1970 a 1972, Clóvis Assaf, chegou a ter que prestar esclarecimentos ao Exército por ter recebido uma honraria de um político de esquerda. “Esta Casa foi vítima da revolução”, disse Jair Assaf.

Lacerda
Outro episódio interessante lembrado pelo vereador do PROS foi a visita que o então governador do estado do Rio de Janeiro (naquela época estado da Guanabara), Carlos Lacerda, fez à Câmara de Osasco em fevereiro de 1964, um mês antes do golpe militar que tirou o presidente João Goulart do poder. “Lacerda fez um pronunciamento aqui dizendo que estava em evidência uma revolução”, lembrou Assaf.

publicidade

Imbróglio em Parnaíba
O Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que o Ministério Público Eleitoral (MPE), mesmo não tendo sido o autor do pedido de impugnação no Tribunal Regional Eleitoral, é legítimo para recorrer da decisão que garantiu, temporariamente, a permanência de Elvis Cezar (PSBD) no posto de prefeito interino de Santana de Parnaíba. A decisão põe em risco o cargo de vereador do atual prefeito, posto que lhe deu condição de tornar-se presidente da Câmara e, a partir daí, prefeito, diante da anulação das eleições. Agora o TSE deverá se posicionar sobre o tema, o que reacende a possibilidade de a cidade ganhar um novo prefeito. O caso poderá ser julgado nos próximos dias.

publicidade

Comentários