Visão Atenta

0

Até o fim
Com a ascensão de Marina Silva (PSB) e a queda de Aécio Neves (PSDB) nas pesquisas, alas do PSDB e aliados começaram a defender que Aécio retirasse a candidatura e que os tucanos passassem a apoiar Marina. Os boatos fizeram com que Aécio viesse a público esta semana para garantir que mantém a candidatura: “Vou lutar até o último instante”. Para o vereador osasquense André Sacco (PSDB), a defesa de alas do partido pelo apoio a Marina já no primeiro turno foi “prematura”.

publicidade

Cotia
Em sessão na segunda-feira, dia 1º, os vereadores da Câmara Municipal de Cotia já elegeram os nomes que vão compor a Mesa Diretora a partir de 2015. Na presidência, Marcos Nena (PP) dá lugar a Sergio Folha (PP), como já estava estabelecido em acordo entre os parlamentares. Compõem a futura Mesa, ainda, os vereadores Alcides Esquisito (PRB – vice-presidente), Fernando Jão (PSDB – 1º secretário) e Castor (PCdoB – 2º secretário).

Religião manda
Sobre o recuo de Marina Silva no apoio ao casamento gay e à lei contra a homofobia, o presidente do PSB de Osasco, vereador Mario Luiz Guide, declarou: “O PSB tem uma tradição de defender essas posições, tanto é que tem um movimento organizado dentro do partido. Agora, temos que respeitar a religião das pessoas. Ela [Marina] tem uma religião dela, tem suas crenças e nós temos que respeitar”.

publicidade

Collor?
Guide também rebate os ataques da campanha da petista Dilma Rousseff, que chegou a comparar Marina ao ex-presidente Fernando Collor de Mello, que sofreu impeachment. “Ela tem uma história de luta popular. O campo político em que ela transita é muito diferente”.

Inelegível
Outro político da região julgado inelegível pelo TRE-SP é o ex-vereador de Santana de Parnaíba Pedro Mori (PSB), candidato a deputado federal. O problema também decorre de atos cometidos quando ele era presidente da Câmara. O TRE lembrou que as contas do Legislativo foram rejeitadas na ocasião por aumento indevido dos salários dos vereadores. “A falha em questão gerou gastos indevidós ao erário”, diz o acórdão. Mori deve recorrer no TSE.

publicidade

Comentários