Visão Atenta: bastidores da política regional

0
Marcos Martins tenta a reeleição na Alesp, enquanto Valmir Prascidelli busca cadeira em Brasília

Estrela solitária

publicidade
Marcos Martins tenta a reeleição na Alesp, enquanto Valmir Prascidelli busca cadeira em Brasília
Marcos Martins tenta a reeleição na Alesp, enquanto Valmir Prascidelli busca cadeira em Brasília

Em entrevista coletiva nesta semana, o pré-candidato a prefeito de Osasco pelo PT, Valmir Prascidelli, disse que o deputado estadual Marcos Martins é um dos nomes cotados para ser o vice na chapa. No momento em que o atual prefeito reúne 20 partidos em sua coligação, Prascidelli admite que o PT deve disputar a eleição sem se coligar e, em relação à eleição proporcional, a meta é apenas tentar manter a bancada de três vereadores.

Cenário

publicidade

Prascidelli disse que a eleição municipal será diferente devido às mudanças na legislação eleitoral e que o cenário estaria indefinido, já que não se sabe se Celso Giglio (PSDB) está inelegível, e também pela ação do Ministério Público que investiga funcionários fantasmas na Câmara de Osasco. “Isso pode ter um impacto fundamental na eleição de Osasco. O que dizem é que tem de 10 a 14 vereadores envolvidos, e isso pode atingir diretamente o Executivo. Então, há uma indefinição absoluta no quadro eleitoral”, afirmou.

Chapa branca

publicidade

A CPI da Merenda, na Assembleia Legislativa, é dominada por aliados do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e do presidente da Casa, Fernando Capez (PSDB), acusado de integrar o esquema ilegal. De todos os nove membros do colegiado, apenas o deputado Alencar Santana (PT) faz oposição ao governador. O deputado estadual Marco Zerbini (PSDB), que preside a CPI, deu uma declaração que dá mostras de como os trabalhos serão conduzidos. “Eu sei que quem foi acusado de forma injusta tem desespero grande em provar sua inocência”, afirmou.

Pizza?

Zerbini disse ainda que “o dano causado à imagem de Capez é um dano que não pode ser revertido mesmo comprovando sua inocência”. Único oposicionista na CPI, Alencar Santana criticou a declaração. “Vão blindar o Capez. Este pré julgamento de que ele é inocente, vindo do presidente de uma CPI que diz atuar tecnicamente, sem ter ouvido o deputado, nem testemunhas, é preocupante e demonstra que não haverá imparcialidade”, afirmou.

Comentários