Walmart Osasco abre sindicância para apurar denúncia de importunação sexual no banheiro

Walmart Osasco abre sindicância para apurar denúncia de importunação sexual no banheiro

0
Compartilhar
Reprodução/Portal "Notícias de Osasco e Região"

O Walmart abriu uma sindicância interna para apurar a ação de funcionários do estabelecimento com relação à denúncia de negligência sobre a suposta ação de um importunador sexual no banheiro do hipermercado em Osasco.

Publicidade

“O Walmart, assim que tomou conhecimento do fato, abriu uma sindicância interna e está à disposição das autoridades para colaborar na investigação do caso”, afirmou a rede, por meio de nota enviada via assessoria de imprensa.

Um adolescente de 14 anos e o pai dele denunciaram que o garoto foi vítima de um homem que insistia em olhar por cima para a cabine que ele usava no banheiro do Walmart Osasco, no fim de fevereiro. O jovem chamou o pai por meio do WhatsApp e o importunador fugiu.

Quando foram relatar o caso a seguranças do Walmart, funcionários que trabalham no local teriam dito que não era a primeira vez que aquilo ocorria – mas que eles eram os primeiros que denunciavam –, e que o acusado ia ao banheiro do estabelecimento todo dia, por volta das 7h.

“É inadmissível você estar dentro de um espaço e ser importunado como meu filho foi”, afirmou Maurício Aparecido Antônio, pai do adolescente, ao portal “Notícias de Osasco e Região” (assista vídeo abaixo). “Choca a conivência, porque a coisa estava acontecendo já há algum tempo e ninguém fez nada”, continuou o pai, que registrou um boletim de ocorrência após o episódio.

Sem providências

Publicidade

O adolescente relatou, ao “Notícias de Osasco e Região”, como ocorreu a importunação, enquanto usava uma das cabines do banheiro. “Quando eu olho para cima, vejo que tem um homem olhando para mim na cabine. Perguntei o que ele estava fazendo, ele respondeu: ‘desculpa, mano’. Aí eu olhei novamente, ele continuava olhando para mim. Aí, chamei meu pai (que aguardava no estacionamento) pelo WhatsApp. Enquanto ele (o pai) vinha, ainda deu tempo de o homem continuar olhando”.

“Meu pai ficou bastante nervoso. A gente comunicou o segurança e o próprio segurança relatou que não tinha sido a primeira vez e que éramos as primeiras pessoas a fazer denúncia. O cara passou do nosso lado, saiu e o supermercado não tomou providência”, contou.

Compartilhar


Comentários