“Essa disputa PTxPSDB já deu o que tinha que dar”, diz Márcio França

0
Foto: Ciete Silverio

Na noite desta segunda-feira, 15, o candidato ao governo Márcio França (PSB) disse que pretende trabalhar pela união do estado, em sentido oposto à polarização colocada na disputa à presidência, e ressaltou o desgaste da rivalidade política entre PSDB e PT.

publicidade

“Os petistas sempre acharam que eu era tucano e os tucanos, que eu era petista. Eu não sou nenhum dos dois. Não pensamos como eles, temos outras ideias. Essa disputa PTx PSDB já deu o que tinha que dar”, afirmou em entrevista ao programa “Roda Viva”, na TV Cultura.

França aproveitou para destacar que sempre foi oposição ao PT, inclusive vencendo deles na disputa pela Prefeitura de São Vicente, cargo para o qual foi reeleito com 93% dos votos. “Eu ganhei as eleições do PT, disputei contra eles. Sempre fizeram oposição a mim. Está claro que a população não quer nenhum dos dois, nem PT e nem PSDB”.

publicidade

“Depois que Doria abandonou o cargo, tudo que ele fala, para mim, é falso”

Ele também fez críticas diretas ao adversário na disputa pelo governo do estado, João Doria (PSDB). Márcio França destacou o esforço que foi feito por ele próprio para que João Doria (PSDB) se tornasse prefeito da capital paulista, em 2016, sob a promessa do tucano de que se manteria no cargo por quatro anos e que seria o “melhor prefeito que a cidade já teve”.

“Ele prometeu pela honra do pai dele. Depois que ele abandonou o cargo, tudo que ele fala, pra mim, é falso. Ele é bom comercialmente no que faz, mas do ponto de vista do poder público, sinceramente não dá. Até porque empresário decente cumpre o que fala”.

publicidade

“Unir o Brasil” 

O candidato lembrou da disputa entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) à presidência. “A principal tarefa é unir o Brasil. Estamos passando por um momento nacional de muita desunião. São Paulo sempre ajudou nos momentos mais duros. Foi assim na Independência, na República… Não será diferente agora”, apontou.

Como exemplo dos problemas gerados pela polarização, França relembrou episódio envolvendo o saneamento básico de Guarulhos, segunda cidade mais populosa do estado, que há anos lida com o rodízio de água. O novo governador precisou de pouco mais de vinte dias para articular um acordo entre a Prefeitura e o Estado para resolver a questão e garantir água para mais de 1,3 milhão de moradores do município.

À frente do governo do estado há pouco mais de cinco meses, França disse estar “conduzindo o governo com muita decência”, com foco na tarefa principal de criar oportunidade para os jovens.

“Ao longo dos anos, apostamos nos efeitos e não nas causas. Vamos fazer uma revolução, criando oportunidades para quem está em uma situação mais vulnerável”, disse em relação ao programa de Alistamento Civil que concederá uma bolsa de 500 reais mensais, estudo e oportunidade de trabalho para 80 mil jovens paulistas.

Valorização aos funcionários públicos

Márcio França prometeu que, se for eleito, em sua gestão os funcionários públicos de São Paulo terão os melhores salários do Brasil. “O governo não tinha interlocução com os funcionários públicos, que estão há praticamente três anos sem reajustes. Temos que reconhecer que está errado”, disse.

Comentários