Influenciadora digital morre em Osasco, seguidores duvidam e família mostra certidão de óbito para provar

0
dai ayumi
Foto: reprodução

A morte da influenciadora digital Daiany Ayumi, de 16 anos, na noite de 8 de abril, no Hospital Regional de Osasco, foi cercada por boatos de que a jovem teria forjado o próprio óbito para ganhar seguidores nas redes sociais e a família veio a público para provar que ela havia morrido.

publicidade

A causa da morte de Dai Ayumi foi apontada como indeterminada na certidão de óbito. A família suspeita de problemas neurológicos, que geraram uma hidrocefalia. “No ano novo, ela [Dai] foi para casa de minha mãe, na Praia Grande. Naquele dia, começou a reclamar de pequenas dores de cabeça. Minha mãe dava remédio e passava. Quando chegou março, ficou tão insuportável que ela não conseguia nem falar e nem andar”, relatou a tia de Dai, Bruna Lee, em entrevista ao “Uol”.

“Ela estava com um líquido no cérebro, e os médicos não sabiam explicar como isso aconteceu. Decidiram fazer uma cirurgia cerebral para ver se encontravam algo”. Após alguns dias internada, a jovem morreu.

publicidade

Com a notícia da morte da influenciadora, seguidores dela declararam, nas redes sociais, que duvidavam, afirmando ter visto vídeos e fotos de Dai no dia da morte. Muitos acusaram de ser uma estratégia de Dai Ayumi para ganhar chamar a atenção e ganhar seguidores na internet.

publicidade

No perfil da influenciadora no Instagram, além de luto, há mensagens como “ela não morreu gente, e a verdade virá a tona a qualquer momento!”; “tá na cara que essa morte é forjada”; e “ela vai aparecer a qualquer momento e falar que está viva”. O número de seguidores de Dai Ayumi no Instagram aumentou muito desde a notícia da morte dela e hoje ultrapassa 1 milhão. Também foram criados perfis falsos nas redes sociais utilizando o nome da influenciadora.

Com a repercussão, a família veio a público desmentir os boatos. Mas erros de digitação na certidão de óbito divulgada pelos parentes geraram mais dor de cabeça. “Minha irmã mandou o corpo para um crematório em Piracicaba, e veio ‘Piracibaca’. Erraram na hora de digitar. Isso não significa que é falso”, disse a tia de Dai. Outro erro no documento foi a palavra “supultamento” ao invés de “sepultamento”.

dai ayumi
Foto: reprodução

Os erros causaram a demora na cremação do corpo de Dai Ayumi, devido à burocracia.

Comentários