Internos da Fundação CASA em Osasco são aprovados para Etec e Fatec

Os jovens de Osasco buscam no curso de Redes de Computadores formações que possam lhes proporcionar novas oportunidades

0
Reprodução

Um total de 98 adolescentes internos da Fundação CASA no Estado de São Paulo foram aprovados nos processos seletivos das Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) e Faculdades de Tecnologia (Fatecs). Eles representam 41,5% dos 236 jovens na Instituição inscritos para os processos seletivos do primeiro semestre de 2021. Em Osasco, dois adolescentes internados no CASA Osasco I foram aprovados: um para a Etec e outro para a Fatec, segundo a assessoria da instituição.

publicidade

Do total de aprovados, 24 jovens já foram convocados na primeira lista dos cursos que escolheram – 22 para o técnico e dois para o tecnólogo – para se matricular.

Os outros 74 adolescentes aprovados no Estado poderão ser convocados a partir da segunda chamada, prevista para começar após o dia 28 de janeiro, quando será divulgada a listagem com os matriculados.

publicidade

Os jovens de Osasco aguardam haver convocação a partir da segunda chamada. Tanto o jovem Bernardo (nome fictício), de 18 anos, quanto Rafael, de 18, buscam no mundo de Redes de Computadores – o primeiro no nível tecnológico e o segundo no nível técnico – formações que possam lhes proporcionar novas oportunidades.

“Aprovações mostram o potencial e capacidade que eles possuem para mudar de vida”, afirma presidente da Fundação Casa

“Todas essas aprovações mostram o potencial e capacidade que eles possuem para mudar de vida”, afirma o secretário da Justiça e Cidadania e presidente da Fundação CASA, Fernando José da Costa.

publicidade

“A formação técnica e tecnológica é meio para que esses adolescentes tenham uma formação que proporcione a possibilidade de melhor inserção no mercado de trabalho, cada vez mais especializado e competitivo”, avalia o secretário.

Assim como ocorreu na última edição do Vestibulinho e do Vestibular, a seleção para o primeiro semestre de 2021 se deu por meio da análise do histórico escolar, sem a realização de prova presencial ou online.

A mudança do critério foi para atender ao distanciamento social, recomendado pelo Governo do Estado de São Paulo e autoridades sanitárias, visando preservar a saúde dos candidatos, e observando as notas atribuídas aos estudantes antes da pandemia.

Comentários