“Muito abalado”, entregador agredido por motorista enfurecido em Osasco tem medo de voltar às ruas

0
entregador de app agredido osasco
O entregador estava de bicicleta e registrou o momento da agressão / Fotos: reprodução

Bruno Felipe Lacerda, de 18 anos, foi agredido por um motorista e sua esposa na última quarta-feira (23), em Osasco (assista ao vídeo abaixo). O jovem entregador de aplicativo estava trabalhando quando foi insultado e diz estar com medo de voltar para a rua.

publicidade

Desde o ocorrido, a mãe do rapaz não quer que ele volte a trabalhar. O jovem, que trabalhava como entregador há três meses, diz que vai dar uma pausa e ajudar no comércio da família para não ficar parado. “Vou ficar aqui pelo menos uns dois meses para, pelo menos, passar isso que aconteceu comigo porque eu estou muito abalado”, declarou, à reportagem do jornal “Primeiro Impacto”, do SBT.

A confusão aconteceu no início da tarde do dia 23, na rua Antônio Agu. Segundo Bruno, o motorista não gostou de ter que dividir a via com o ciclista. O entregador conseguiu gravar o momento das agressões. No vídeo, pessoas quem presenciaram o ocorrido tentaram impedir que o motorista enfurecido partisse para cima do jovem.

publicidade

“Ele chegou do meu lado e começou a me fechar e a falar um monte”

“Ele estava bravo porque eu estava na frente dele, só que não tinha como passar ainda. Eu estava do ladinho pra tentar deixar ele passar, só que mesmo assim ele estava muito bravo, aí ele chegou do meu lado e começou a me fechar e a falar um monte”, explicou o entregador.

“Eu perguntei porque ele estava fazendo isso. Aí ele parou o carro na minha frente e desceu do carro pra ameaçar de me bater. Nesse momento eu peguei o celular, ele voltou pro carro e a mulher dele saiu do carro, começou a me agredir e ele também saiu e me agrediu”, continuou.

publicidade

No dia da confusão, Bruno não conseguiu registrar o boletim de ocorrência. Ele, o motorista e a mulher foram encaminhados ao 5° DP, mas a ausência do escrivão impediu que o boletim fosse registrado, segundo a reportagem.

A Secretaria de Segurança Pública enviou uma nota ao “Primeiro Impacto” informando que Bruno já foi ouvido e que o caso foi registrado como lesão corporal. Devido às agressões, foram solicitados ainda exames no Instituto Médico Legal (IML) e as diligências estão em andamento.

Comentários