No Centro de Osasco, decepção no campo e nas vendas

0

6 de julho de 2018, por volta das 18h. Num Centro de Osasco bem menos movimentado que o habitual, o camelô Maciel Antônio da Silva, o “Dedé”, cabisbaixo, recolhe as cerca de 250 camisas da seleção brasileira à venda em sua banca, toda colorida de amarelo e azul.

publicidade

A seleção brasileira acabara de ser eliminada da Copa do Mundo e, além da frustração pelo desempenho do time de Tite, Neymar e cia. em campo, Dedé lamenta o prejuízo que teve com o desempenho do Brasil na competição.

“A seleção não jogou nada. O Brasil não demonstrou nada, raça, futebol, nada. Não ajudou a gente em nada”, protesta, uma hora após o término de Brasil 1 x 2 Bélgica pelas quartas de final da Copa da Rússia.

publicidade

“Comprei umas 400, 500 camisas. Vendi umas 150”, conta. O jeito é guardar os materiais que sobraram para a próxima Copa, em 2022, no Qatar,

Até lá, os clientes poderão comprar as amarelinhas em promoção na banca do Dedé. “Se tiver gente que vem atrás eu faço um bom desconto”, garante. “Estava vendendo as camisas por R$ 25. Agora, capaz de pedir R$ 2 e a turma ainda não vai querer”. (Leandro Conceição)

publicidade

Comentários