Pais de criança morta por descarga elétrica em Santana de Parnaíba ganham processo contra Eletropaulo

0
criança morta descarga elétrica
William Pereira Lourenço morreu em decorrência de uma descarga elétrica apo tentar pegar uma pipa nas torres da Eletropaulo na rua Frederico Ozanan, no Jardim Benoá, em Santana de Parnaíba / Foto: reprodução/Google

A 3ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a condenação da AES Eletropaulo (que atualmente se chama Enel) a indenizar em R$ 300 mil os pais de William Pereira Lourenço, menino de dez anos morto por descarga elétrica ao tentar recuperar pipa, em julho de 2007, em Santana de Parnaíba.

A criança morava próxima a torres de alta tensão, na região da rua Frederico Ozanan, no Jardim Professor Benoá, e costumava empinar pipas na área. Após passar uma tarde sumido, o menino foi encontrado morto no dia seguinte, embaixo de uma torre de alta tensão com um bambu, que utilizava para desenroscar pipas, ao seu lado.

Segundo laudos criminalísticos, o local não tinha proteção e era de livre acesso pela população. Somente após a morte do garoto, a área foi cercada com muros e portões para evitar a aproximação de pessoas às torres.

Publicidade

No processo, a Eletropaulo alegou que não teve responsabilidade pela morte do menino.

No entanto, segundo o relator da apelação, desembargador Maurício Fiorito: “restou cabalmente demonstrada a culpa da Eletropaulo, pois tem o dever de fiscalizar e manter em ordem a área de servidão administrativa sob sua responsabilidade, sendo que não o fez, permitindo o livre acesso de cidadãos em área de elevado risco de eletrocussão”, escreveu o magistrado.

“A culpa exclusiva da vítima deve ser afastada, pois conforme demonstrado, o local não contava com elementos mínimos de segurança, sendo certo que possibilitou a entrada de uma criança de 10 de idade que poderia não ter ciência da situação de risco que se apresentava”, continuou o magistrado. “Inclusive, é irrelevante para o deslinde do feito o fato do filho dos autores ter entrado no terreno com um bambu nas mãos ou o motivo pelo qual estava naquele local”, concluiu.

Também participaram do julgamento, que teve votação unânime, os desembargadores Marrey Uint e Camargo Pereira.

Comentários