Suspeito de matar frentista em assalto a posto em Osasco é preso

Suspeito de matar frentista em assalto a posto em Osasco é preso

0
Compartilhar
Fotos: reprodução

Foi preso nesta terça-feira (23), Breno Monteiro, de 19 anos, suspeito de ser o autor do disparo que matou o frentista José Maria Martins, 38, há um mês, em um assalto a um posto de combustíveis na região do Jardim Veloso, em Osasco.

Ele se entregou no 8º DP, na Vila Yolanda, mas nega participação no crime. Breno foi indiciado por latrocínio (roubo seguido de morte). Os outros dois suspeitos de envolvimento no assalto ao posto continuam foragidos.

José Maria era funcionário do posto há sete anos e não tinha carteira assinada. Com a morte dele, a família enfrenta sérias dificuldades financeiras, mostrou reportagem do “Brasil Urgente”, da Band. O posto de combustíveis ainda não teria pago nenhuma indenização trabalhista à família.

Publicidade

Câmeras de segurança do local registraram o momento em que o frentista foi baleado após tentar reagir à ação do trio de assaltantes.

Publicidade

Após o episódio, o Sindicato dos Frentistas de Osasco encaminhou ao Comando da Polícia Militar ofício cobrando providências relativas aos episódios de violência contra trabalhadores em postos de combustíveis da cidade.

“Não podemos nos acomodar e achar que é normal o aumento da violência”, critica Luiz Arraes, presidente do Sinpospetro-Osasco e também da Federação Estadual dos Frentistas – Fepospetro. O dirigente lembra que já chega a três o número de frentistas que perderam a vida durante assaltos, em meio ao expediente, somente a cidade de Osasco, no período inferior a um ano.

Ele destaca que é responsabilidade do Poder Público implementar ações para combater com efetividade a violência urbana, mas ressalta que é também dever dos empresários tomar medidas preventivas para impedir ou diminuir a frequência desses crimes, como aumentar a segurança dos estabelecimentos.

“Postos de combustíveis são estabelecimentos visados por criminosos, fato que caracteriza como de  risco permanente a atividade de frentista”, alerta.

Compartilhar

Comentários