Visão Atenta: debate em Santana de Parnaíba, visita de Marina Silva e...

Visão Atenta: debate em Santana de Parnaíba, visita de Marina Silva e salários dos vereadores de Osasco

0
Compartilhar

3-visao-atenta-elvis 3-visao-atenta-silvinho“Fujão”
O candidato a prefeito em Santana de Parnaíba Silvinho Peccioli (DEM) chamou o atual prefeito e candidato à reeleição Elvis Cezar (PSDB) de “fujão”, por não comparecer a debate na noite de quarta-feira, 21, na TV Cidade, em Osasco. O ex-prefeito Peccioli, principal adversário de Elvis, acabou debatendo com Agnaldo Moreno (PEN) e Nunes (PMN). Ao final do encontro, Peccioli disparou: “ele estava numa reunião no condomínio Gênesis 2. Uma pena que a pessoa use de um estratagema pra fugir de um debate”. Elvis alegou que não compareceu por ter se sentido mal.

Publicidade

3-visao-atenta-marinaSem Rede
A presidente nacional do Rede, Marina Silva, esteve nesta semana em Carapicuíba, onde participou de caminhada no Centro com o candidato do partido à prefeitura Vanderlei Fernandes. Curiosamente, Marina não deu uma passada na maior cidade da região para apoiar o candidato da Rede em Osasco, Marcos Arruda.

Quase isso
A última polêmica em relação à Câmara Municipal de Osasco diz respeito à votação e aprovação de uma mudança na Lei Orgânica. Alguns usuários publicaram no Facebook que os vereadores haviam votado o aumento dos próprios salários, e o boato se espalhou pela rede. Na verdade, a alteração votada alterou a lei para permitir o aumento a qualquer momento, já que antes tal votação não era permitida nos 45 dias que antecedem as eleições municipais.

Pra depois
Ou seja, os vereadores de Osasco ainda não votaram o aumento dos salários, mas tudo indica que devem fazê-lo. Isso porque já há um projeto que fixa o salário dos parlamentares em R$ 18.991,69, o teto permitido por lei, que representa 75% do valor dos salários dos deputados estaduais. Para evitar desgaste eleitoral, o aumento deve ser votado logo após as eleições.

Só flagrante
Desde o último dia 17, nenhum candidato a prefeito ou vereador pode ser preso, exceto em flagrante. A regra está prevista na legislação eleitoral e serve para evitar que ocorram prisões políticas neste período de fim de campanha.

Compartilhar

Comentários