Cotado para disputar o governo, Emidio diz estar “à disposição do PT”

2
Ex-prefeito Emidio de Souza participou das comemorações pelos 51 anos de Osasco / Foto: Francysco Souza

Ex-prefeito Emidio de Souza participou das comemorações pelos 51 anos de Osasco / Foto: Francysco Souza
Ex-prefeito Emidio de Souza participou das comemorações pelos 51 anos de Osasco / Foto: Francysco Souza

publicidade

Leandro Conceição

Cotado novamente para ser o candidato do PT ao governo do estado, o ex-prefeito de Osasco, Emidio de Souza, afirma que está “à disposição” do partido para uma possível candidatura. Emidio também confirma que será candidato à presidência do PT estadual no próximo Processo de Eleições Diretas (PED), em novembro.
Emidio tirou um período de férias depois de sair da Prefeitura de Osasco e agora vai retomar a agenda política, visando a disputa à presidência do partido em São Paulo e, depois, em uma possível candidatura nas eleições de 2014, ao governo, Senado ou Câmara Federal.

publicidade

“Estou pronto para novos desafios”, diz ex-prefeito

“Aproveitei [as férias] para curtir a família um pouco, reoganizar minha vida pessoal e agora estou pronto para novos desafios, sempre à disposição do PT. Podemos contribuir muito com o PT”, afirmou ao Visão Oeste, durante evento em comemoração ao aniversário de Osasco (leia na página 5).
Emidio foi cotado para concorrer ao governo nas eleições de 2010, mas a vaga ficou com Aloizio Mercadante, atual ministro da Educação, que foi derrotado por Geraldo Alckmin (PSDB) no primeiro turno.

publicidade

Nomes
Desta vez, além de Emidio e Mercadante, os ministros da Saúde, Alexandre Padilha, e da Fazenda, Guido Mantega, e o prefeito de Santo André, Luiz Marinho, são nomes fortes na disputa.
Principal afilhado político de Emidio, o prefeito de Osasco, Jorge Lapas (PT), já faz campanha pelo antecessor. “Ele tem todas as condições para ser governador e tem capacidade de articulação política também. É uma liderança em ascensão, tem tudo para ser o candidato”.
Para Emidio, o trunfo para o PT chegar ao governo paulista pela primeira vez após mais de duas décadas de hegemonia tucana “são os bons resultados alcançados pelos governos Lula e Dilma”.

Comentários