Testemunha diz que Amanda foi torturada por dois dias antes de ser morta e que namorado está envolvido no crime

2

Uma testemunha entrevistada pelo “Cidade Alerta”, da Record TV, afirmou que a osasquense Amanda Palha, de 26 anos, foi torturada por dois dias dentro de um barraco em uma comunidade no Jardim Padroeira, em Osasco, antes de ser morta em um “tribunal do crime”.

“A Amanda gritou bastante, pediu socorro. Eles torturaram ela, sim”. O atual namorado dela teria envolvimento no crime, declarou.

Mãe e quatro filhos, ela está desaparecida desde o dia 12. Amanda é ex-namorada de um traficante ligado ao PCC conhecido como “Vampirinho”, que era chefe do tráfico na favela da Arábia, na região do Jaraguá, zona Norte da Capital, e foi morto no mês passado em uma troca de tiros com a Rota. Amanda havia iniciado recentemente um novo relacionamento, com outro homem que também teria envolvimento com o mundo do crime.

Publicidade

Segundo a testemunha (assista vídeo abaixo), Amanda teria sido torturada e morta após os criminosos descobrirem que ela seria informante da polícia. Ela teria sido “julgada” no “tribunal do crime” em uma comunidade no Jardim Padroeira, em Osasco.

De acordo com o relato, os criminosos descobriram que ela teria passado informações sobre um traficante local à polícia. Pouco antes de desaparecer, Amanda teria ido ao 8º DP, em Osasco.

Uma testemunha relatou, segundo o “Cidade Alerta”, que Rodolfo, o atual namorado de Amanda, também teria participado do “julgamento”, já que a mulher teria obtido as informações repassadas à polícia através dele. “A quadrilha deu ordem para o Rodolfo matar ela porque teria sido através dele que ela teria descoberto informações da quadrilha e passado para a polícia”.

Depois dela ser morta, o corpo de Amanda teria sido levado à comunidade da Arábia, na Capital, mas os criminosos mudaram de ideia e levaram de volta à região do Padroeira.

A polícia continua as buscas para localizar Amanda. Nos últimos dias, com a ajuda de cães farejadores, os policiais estiveram nas duas favelas nas quais os criminosos envolvidos no sumiço dela atuam, mas ainda não encontraram o corpo.

Nesta sexta-feira (23), o pai de Amanda fez um apelo aos envolvidos no desaparecimento dela: “Se minha filha estiver morta, só entrega para a gente para a gente poder fazer o sepultamento dela dignamente”, afirmou, em entrevista ao “Brasil Urgente”, da Band. “A gente está sofrendo muito”.
Leia também: “Quero sepultá-la dignamente”, diz pai de Amanda

Comentários