Apelo por vira-lata em cédula sensibiliza Banco Central: “é algo que simboliza bem o país”, diz deputado

1
vira-lata caramelo nota 200
Reprodução

Ficou sério o meme que virou petição no qual internautas reivindicam a inclusão do vira-lata Caramelo na cédula de R$ 200, que será lançada em breve pelo Banco Central (BC). O lobo-guará já está definido como personagem da nova nota e não há tempo para nenhum tipo de alteração, mas, com o apelo da internet, o BC admite criar uma ação relacionada ao vira-lata, com o objetivo de conscientizar contra os maus-tratos a estes animais.

publicidade

O deputado federal Fred Costa (Patriota-MG) se reuniu com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para pedir o vira-lata Caramelo na cédula. “Eles justificaram que não haveria tempo hábil para qualquer mudança, mas reconheceram a importância disso. E eu também reconheci a importância do lobo-guará (para estar na nota de R$200), por estar em extinção e ser um símbolo da nossa fauna”, explicou o parlamentar, ao jornal “Extra”.

No entanto, deve ser avaliada em breve algum outro tipo de ação do Banco Central relacionada ao vira-lata Caramelo de forma que envolva o combate aos maus-tratos, segundo reportagem do Uol, confirmada pela assessoria de imprensa do BC. “(O vira-lata) é algo que simboliza bem nosso país. Não há quem não conheça o cachorro vira-lata”, declarou o deputado Fred Costa.

publicidade

“Nova fase para o bem-estar animal”

O abaixo-assinado criado na internet para pedir o vira-lata Caramelo na nova nota mobilizou milhares de internautas. “Não descartamos a relevância do lobo-guará na história e na fauna brasileiras. Porém, o cachorro vira-lata está mais relacionado ao cotidiano dos brasileiros e, além disso, é presente em todas as regiões do país”, diz a justificativa da petição.

“A inclusão do vira-lata Caramelo na cédula é incentivo não só para a adoção, mas também para o controle da espécie. Pode representar uma nova fase para o bem-estar animal, visto que as notícias mais recentes são relacionadas aos sofrimentos deles”, continuam os idealizadores do abaixo-assinado.

publicidade

Comentários