Coronavac: governo do estado planeja vacinação contra covid-19 a partir de 15 de dezembro

0
coronavac vacinação
Governador João Doria (PSDB) assinou nesta quarta termo de compromisso com a biofarmacêutica Sinovac para fornecimento de 46 milhões de doses da Coronavac ao estado até dezembro / Foto: divulgação

Se a Coronavac tiver sucesso na última etapa dos testes, em outubro, o Instituto Butantan pedirá a aprovação emergencial da vacina à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O objetivo do Governo de São Paulo é iniciar uma campanha de vacinação contra a covid-19 na segunda quinzena de dezembro, com prioridade para profissionais de todas as unidades públicas e privadas de saúde.

publicidade

O anúncio foi feito nesta quarta-feira (30), quando o governador João Doria (PSDB) assinou o termo de compromisso com a biofarmacêutica Sinovac Life Science para fornecimento de 46 milhões de doses da Coronavac ao estado de São Paulo até dezembro. O potencial imunizante contra o coronavírus é desenvolvido em parceria com o Instituto Butantan.

“São Paulo não perde tempo, São Paulo quer proteger a saúde e a vida dos brasileiros”, afirmou o governador. Doria também esclareceu que já há um entendimento verbal entre a direção do Butantan e a Sinovac para que outras 14 milhões de doses da vacina sejam fornecidas em fevereiro de 2021.

publicidade

O acordo foi assinado no Palácio dos Bandeirantes pelo Governador Doria, o Diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e o Vice-presidente mundial da Sinovac, Weining Meng. No valor de US$ 90 milhões, o contrato também formaliza a transferência de tecnologia para produção da vacina pelo Butantan.

Até dezembro, a farmacêutica vai enviar 6 milhões de doses da vacina já prontas, enquanto outras 40 milhões serão formuladas e envasadas em São Paulo.

publicidade

A segurança do imunizante já foi comprovada em uma pesquisa com mais de 50 mil voluntários na China. A vacina também já vem sendo testada no Brasil desde julho e, atualmente, os estudos clínicos da última fase são acompanhados por 12 centros de pesquisa científica em cinco estados e no Distrito Federal.

Tanto na China como no Brasil, os testes clínicos passaram a envolver voluntários com mais de 60 anos, que são o grupo mais suscetível aos sintomas graves da COVID-19. De acordo com o Butantan, que coordena a pesquisa no Brasil, a expectativa é que os testes de eficácia da Coronavac sejam encerrados até o dia 15 de outubro.

Comentários