Início Cidades Promotor denuncia pirâmide de perfumes

Promotor denuncia pirâmide de perfumes

3
Empresa atua em diversas cidades do país, entre elas Osasco / Foto: reprodução

Sete pessoas ligadas ao grupo UP Essências, que vende perfumes e outros cosméticos, foram denunciados pelo promotor de Justiça Marcelo Mendroni por lavagem de dinheiro. Eles são acusados de movimentar milhões de reais em um esquema de pirâmide em prejuízo dos investidores.

publicidade

“Atraíram pessoas para trabalhar para eles, com a falsa ideia de lucro fácil em supostos planos de carreira, na qual estas pessoas seriam ‘consultores’ e/ou ‘investidores’, estimulados a vender seus produtos, quase inexistentes no mercado, e empregar dinheiro nos projetos empresariais que alardeavam como ‘investimentos’”, explicou, em reportagem de O Estado de S. Paulo.

Mendroni afirma que o ‘dinheiro que os denunciados arrecadaram era movimentado em contas pessoais e das empresas criadas, além de aplicados em mercados de seguros’. “Assim, dissimulavam aquela origem, disposição, movimentação e propriedade de bens, direitos ou valores provenientes, direta e/ou indiretamente, daquela infração penal”.

publicidade

O promotor explica que os “investidores”, que atuam como revendedores, são obrigados a adquirir o material de demonstração e comprar mensalmente uma determinada quantidade de produtos da UP.

Além disso, usando a definição “marketing multinível”, o revendedor é estimulado a supostamente acelerar seus ganhos recrutando mais revendedores para a empresa. São oferecidas ainda supostas premiações, como viagens internacionais, joias e carros de luxo.

publicidade

“Após algum tempo, conforme o tamanho da pirâmide, cedo ou tarde, decorre um esgotamento de potenciais de pretensos investidores, fazendo com que, progressivamente, se esgote a entrada de novos membros na pirâmide, gerando prejuízo financeiro aos que entraram antes, porque jamais conseguirão obter retorno pelos investimentos realizados”, explicou o promotor, ainda de acordo com O Estado de S. Paulo.

O advogado Luiz Carlos Torres, que defende a UP, afirmou que “a defesa ainda não tomou conhecimento da denuncia e se coloca à disposição para esclarecimentos”.

Comentários