Demissões no Bradesco são alvo de Moção de Repúdio de vereadora de Osasco

0
demissões bradesco
Sindicato diz que bancos descumprem acordo de não demitir em meio à pandemia de covid-19 e tem realizado protestos contra dispensas em massa / Foto: divulgação

A vereadora de Osasco Dra. Régia (PDT) apresentou na Câmara Municipal uma moção de repúdio contra as demissões de milhares de trabalhadores e o fechamento de cerca de 500 agências do Bradesco pelo país.

publicidade

A parlamentar osasquense ressalta que “há um acordo com os sindicatos da categoria de não praticar desligamentos enquanto persistir a pandemia [de covid-19] no Brasil”.

“Neste momento tão delicado do país e do mundo, é essencial a manutenção do emprego e renda. Portanto, qualquer demissão nesse momento é algo devastador”, destaca Dra. Régia. “Não existe razão para tamanha desumanidade, frente as elevadas cifras lucrativas que apresenta o Bradesco”, emenda a vereadora.

publicidade
dra régia pdt osasco
A vereadora Dra. Régia (PDT) / foto: Eudes de Souza

Sindicato

O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região tem realizado protestos contra demissões promovidas pelas bancos. De acordo com a entidade, na retomada das atividades em meio à pandemia, até o momento, foram mais de 1 mil desligamentos no Santander, outras 427 demissões no Bradesco, que tem sede em Osasco, e 400 no Itaú.

“Com isso, os três descumprem um compromisso assumido publicamente, em março, de não demitir durante a pandemia. E apesar do lucro alcançado por essas instituições financeiras mesmo na crise – juntos, os três bancos lucraram R$ 21,7 bilhões no primeiro semestre –, contribuem com o aumento do nível de desemprego no Brasil”, afirma o sindicato.

publicidade

“Todos perdem com as demissões no país. Já são mais de 13 milhões de desempregados e o setor mais lucrativo da economia brasileira contribui para o aumento desses números. Muitos trabalhadores são surpreendidos com as demissões por e-mail ou WhatsApp e entram em desespero porque já estão fragilizados durante a pandemia”, destaca a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva.

Comentários