O Visão Oeste realiza série especial de reportagens sobre os desafios das novas gestões das cidades da região. Leia também sobre os obstáculos de Carapicuíba e Jandira.

publicidade

William Galvão

Com orçamento municipal 4,63% maior que o do ano passado, o novo prefeito de Cotia, Rogério Franco (PSD), terá R$ 726,9 milhões para gerir a cidade e derrubar obstáculos, como o transporte público caro e precário, acesso limitado à cultura e uma saúde pública que também enfrenta problemas.

publicidade

Além da reclamação com as filas em hospital e a demora para marcar exames e consultas, Cotia está há 14 dias sem ambulâncias do Samu. No ano passado, a cidade chegou a ficar 15 dias sem o serviço. Quem precisa de socorro, conta apenas com o Corpo de Bombeiros atualmente.

A cidade tem 229,3 mil habitantes e orçamento equivalente a R$ 3,1 mil para ser investido por morador, valor alto se comparado a cidades vizinhas como Carapicuíba, que tem apenas R$ 1,5 mil por habitante.

publicidade

O município é um dos mais ricos e desenvolvidos da região, apesar da visível desigualdade social. Conta com um setor industrial fértil ao longo da Rodovia Raposo Tavares, uma das principais vias de acesso à Capital paulista, com produtos importantes como materiais elétricos, químicos, cerâmicos, entre outros.

Agricultura

A cidade é a única da região que tem participação significativa da agricultura na economia, com destaques para o cultivo de batata, tomate, milho, feijão, alho e frutas, provenientes de Caucaia do Alto, que tenta se emancipar de Cotia há muitos anos.

Apesar de não ter conseguido, Caucaia possui estrutura de cidade, abrigando escolas, posto de saúde, policiamento e até outros bairros dentro de suas limitações.

De acordo com dados o IBGE, Cotia está entre as 100 maiores economias do país, na 82ª posição, com PIB de R$ 10,1 bilhões ou 0,18% do PIB nacional. A renda per capita do município é de R$ 882,64, abaixo da média regional, de R$ 949,90.

No transporte, preço alto e serviço precário

Desafios dos Prefeitos: transporte caro e precário, acesso limitado à cultura e saúde são principais obstáculos da nova gestão de Cotia
Serviço prestado por ônibus municipais não tem aprovação popular pela demora e escassez em alguns bairros / Foto: William Galvão

Recentemente revogada de R$ 4 para R$ 3,60, o preço da passagem dos ônibus municipais em Cotia é uma das maiores críticas da população.

De acordo com o operador de máquina, Juliano Guariendo Diniz, 24, morador do bairro Mirizola, o valor da tarifa não condiz com a baixa qualidade dos ônibus. “Pego ônibus todo dia e já fiquei 40 minutos esperando. É muito caro”.

Desafios dos Prefeitos: transporte caro e precário, acesso limitado à cultura e saúde são principais obstáculos da nova gestão de Cotia
“Os ônibus são precários, o motorista é mau remunerado e exerce a sua e várias outras funções, como a de cobrador e de mediador em confusões dentro do ônibus”.
Bianca Yumi Pelissari Oka, 20, estudante

Ativista na causa da mobilidade urbana na cidade, a estudante Bianca Yumi Pelissari Oka, 20, denuncia o que considera um sistema monopolista do transporte na cidade.

“Os ônibus são precários, o motorista é mau remunerado e exerce a sua e várias outras funções, como a de cobrador e de mediador em confusões dentro do ônibus”, exemplifica.

“Várias regiões contam com frota reduzida e horários que quase nunca são respeitados, quando não são esquecidas e contam apenas com as linhas intermunicipais, apesar de fazer parte do território municipal, como nos bairros do Caputera e de Caucaia”, completa ela.

 

Rodeio e falta de acesso à cultura

Desafios dos Prefeitos: transporte caro e precário, acesso limitado à cultura e saúde são principais obstáculos da nova gestão de Cotia
Maior evento cultural da cidade, Rodeio não abre espaço para artistas locais em detrimento de nomes conhecidos nacionalmente

Para atrair turistas, Cotia conta com o maior templo budista da América Latina, o Zu Lai. Já na Cultura, Cotia possui poucas opções para a população. Segundo o educador social José Francisco Rossi Neto, 30, a agitação cultural da cidade é feita essencialmente de modo independente. “O diálogo não se estendeu até o poder público”, avalia.

Desafios dos Prefeitos: transporte caro e precário, acesso limitado à cultura e saúde são principais obstáculos da nova gestão de Cotia
Educador social José Francisco Rossi Neto, 30, critica falta de apoio do poder público à cultura

Famoso por trazer grandes artistas sertanejos do cenário nacional e atrair milhares de pessoas de cidades vizinhas, o rodeio de Cotia é o maior evento cultural promovido com o apoio da prefeitura anualmente.

“É a única opção que o povo tem de lazer no ano todo”, conta Neto. “Ao mesmo tempo que tem espaço pra grandes artistas sertanejos, esse espaço não é aberto para uma dupla caipira da região, por exemplo”.

Do lado privado, a cidade conta com espaços culturais como o Centro Cultural Wurth, o cinema do shopping Granja Vianna, galerias de arte e teatros, a maioria na região da rica Granja Viana.

Na área de lazer, o município conta com o parque ecológico Cemucam, mas que é administrado pela prefeitura de São Paulo.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui