Dia de protestos contra aumento das tarifas

0

Em 2013, reajuste das passagens foi revertido após uma série de manifestações / Foto: Jeferson Martinho
Em 2013, reajuste das passagens foi revertido após uma série de manifestações / Foto: Jeferson Martinho

publicidade

Está marcado para a tarde desta sexta-feira, 23, um protesto no Centro de Osasco contra o aumento das tarifas no transporte público. Até às 15h desta quinta, 22, mais de 2,2 mil pessoas haviam confirmado presença no ato, organizado pela rede social Facebook.
Desde o início do mês, a tarifa foi reajustada de R$ 3,00 para R$ 3,50 (16,6%) nos ônibus municipais de Osasco. “Cobrar a mesma tarifa de São Paulo por uma quilometragem menor é desproporcional”, alega a organização do ato.

“Cobrar mesma tarifa de SP é desproporcional”

Também houve aumento no preço da passagem na CPTM, Metrô (ambas subiram de R$ 3 para R$ 3,50) e ônibus intermunicipais, geridos pelo governo do estado, e em outras cidades, como em São Paulo e nos municípios que formam, junto a Osasco, o Consórcio Intermunicipal da Região Oeste (Cioeste).

publicidade

Além de Osasco, estão programadas para esta sexta manifestações contra o reajuste das passagens em diversas cidades de todo o país. A data foi definida pelo Movimento Passe Livre (MPL) – que iniciou os protestos de junho de 2013, que na ocasião reverteram o aumento das tarifas – como o dia do Ato Nacional Contra Tarifa.

Outras cidades
Desde o reajuste da passagem foram realizados protestos reunindo pequenos grupos de pessoas em cidades como Cotia e Barueri.
Em São Paulo já foram realizados três atos contra os reajustes no transporte público, o último na terça, 20, com cerca de 10 mil pessoas, segundo o MPL, na região do Tatuapé, zona Leste. Desta vez não houve confrontos entre a PM e manifestantes, ao contrário do registrado nos atos anteriores. Outro protesto está marcado para esta sexta, no Centro da cidade.

publicidade

Passe livre

Como contrapartida ao reajuste, administrações municipais e o governo do estado começaram a implementar passe livre no transporte público a estudantes de baixa renda.
O Movimento Passe Livre (MPL) faz críticas à maneira como foi implantado o passe livre: “A nossa luta é a mesma: tarifa zero para toda a população. O passe livre para os estudantes foi dado como uma concessão, e não estabelecido como direito”.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVisão na Rede
Próximo artigoUPA Centro deve desafogar Hospital Antonio Giglio