Na região, 30,8% avaliam novos governos como ótimos ou bons

0
* Dados globais das cidades da região; não foram divulgados os índices por município ** Fonte: Instituto MAS / Foram entrevistados 3.506 moradores das cidades de Osasco, Barueri, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, Cotia, Santana de Parnaíba, Araçariguama e Vargem Grande Paulista / Margem de erro de cinco pontos percentuais.

Segundo pesquisa do Instituto MAS, 30,8% dos moradores da região consideram que as atuais gestões são ótimas ou boas, 23,9% as julgam ruins ou péssimas. Regular positivo, regular e regular negativo somam 33,4%.

Os dados por cidade não foram divulgados. “Estes números são globais, retratam a situação da região”, explicou o cientista político Marcos Agostinho, do MAS, durante evento no qual foram apresentados os dados da pesquisa, na segunda-feira, 24.

A pesquisa também checou a avaliação dos moradores da região no comparativo dos atuais prefeitos com os que deixaram o cargo em dezembro do ano passado. Para 40,1% dos entrevistados, as gestões melhoraram, enquanto que 14,4% avaliam que houve piora. Os que julgam “igual” somam 30,4% e não souberam responder totalizam 15,1%.

Publicidade

Na Pesquisa Regional de Mercado (PRM), do Instituto MAS, foram entrevistados, entre os dias 10 e 21 de abril, 3.506 moradores de nove cidades: Osasco, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, Cotia, Barueri, Santana de Parnaíba, Araçariguama e Vargem Grande Paulista. A margem de erro é de cinco pontos percentuais.

Saúde é apontada como área mais

Ainda de acordo com o levantamento, a maioria dos moradores da região avaliam que a área da cidade com problemas, como falta de médicos, medicamentos e atendimento ineficiente, é a mais problemática, com 48,2% das citações. Em seguida vêm as áreas da Segurança e Educação.

“Muitas vezes, nota-se que o administrador não concentra esforços para atuar na área que a população anseia mais investimentos. Os entrevistados, que reclamam da qualidade da saúde, apontam que esta é a terceira prioridade dos governos”, avaliou o sociólogo Marcos Agostinho, do Instituto MAS.

Comentários