Pente fino deve afetar 1,3 mil crianças de outras cidades em creches

0
“Barueri é responsável por Barueri, Carapicuíba por Carapicuíba”, afirma Jaques Munhoz / Foto: Eduardo Metroviche

“Barueri é responsável por Barueri, Carapicuíba  por Carapicuíba”, afirma Jaques Munhoz / Foto: Eduardo Metroviche
“Barueri é responsável por Barueri, Carapicuíba
por Carapicuíba”, afirma Jaques Munhoz / Foto: Eduardo Metroviche

publicidade

Leandro Conceição

O pente fino realizado pela Prefeitura por meio do Cartão Barueri deve afetar cerca de 1.300 crianças que estão matriculadas nas maternais da cidade e vivem em municípios vizinhos, segundo o vice-prefeito e secretário de Educação, Jaques Munhoz. Elas não vão poder ser rematriculadas para o ano que vem.

publicidade

“Nas maternais temos 6.800 crianças, 1.300 de fora [da cidade] não serão rematriculadas. [Com isso] são 1.300 vagas nas maternais para crianças de Barueri”, afirmou Jaques, em coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 7.
A princípio, a medida não deve afetar estudantes “forasteiros” que estão no ensino fundamental ou na Fieb. A Prefeitura informa que eles poderão concluir os cursos em andamento. Depois, não vão poder ser matriculados novamente na rede.

Em fase de cadastramento, o Cartão Barueri vai restringir o acesso à maioria dos serviços municipais para quem mora na cidade.
A Prefeitura diz que vai manter o atendimento a vizinhos, “por determinação de lei federal”, apenas nos Pronto Socorros. Já matrículas na educação, cadastro em projetos habitacionais e de assistência social, retirada de remédios e realização de exames na saúde vão requerer o Cartão Barueri ou comprovação de residência.

publicidade

Jaques negou que o objetivo seja “segregar”. A intenção, disse, é investir a verba usada com os “forasteiros” para melhorar o atendimento a quem vive no município. “Barueri é responsável por Barueri, Carapicuíba por Carapicuíba, São Paulo por São Paulo”.
Além disso, o Cartão “faz parte de um projeto de informatização de toda a cidade. Vai reunir dados do atendimento ao munícipe em áreas como educação, saúde, habitação”.

Números

Barueri tinha 1,2 milhão de cadastros de moradores, segundo a atual administração municipal
A cidade tem 248 mil habitantes, de acordo com o IBGE
40% dos que tentam fazer o Cartão são de fora da cidade, segundo a Prefeitura
20% dos estudantes da rede municipal de Barueri são de outras cidades, segundo a Prefeitura
300 pessoas usavam uma casa no bairro Engenho Novo como endereço
78 pessoas usavam o prédio da Prefeitura como endereço

“Nossos cadastros são de lá desde 1990”, diz carapicuibano

O entregador Adalberto Oliveira, 40, mora na Vila Lourdes, Carapicuíba. Mas conta que sempre procurou atendimento em Barueri. “Meus filhos estudaram lá. Na saúde, sempre fomos atendidos lá. O atendimento daqui é ruim e lá eles têm estrutura”. Ele diz que sua família usa o endereço de parentes que moram em Barueri. “Nossos cadastros são de lá desde 1990”. Ele vê com receio o “fechamento de portas” baruerienses. “Espero que, com isso, a Prefeitura melhore o atendimento aqui”.

Morador do Jd. Tucunduva, o mecânico Eliseu Veles, 61, conta que ele e parentes já usaram a rede de saúde vizinha. Apesar disso, considera “justa” a decisão de Barueri: “O atendimento daqui deveria ser igual ao de lá. Cada cidade tem que cumprir sua obrigação, não sobrecarregar a outra”.
Emancipada de Barueri há 48 anos, Carapicuíba é tradicionalmente apontada como “exportadora” de pacientes e alunos a municípios vizinhos. O prefeito carapicuibano, Sergio Ribeiro já minimizou o Cartão Barueri e disse que a vizinha exerce um direito legítimo. Já um grupo de vereadores criticou: “Carapicuíba está sobrevivendo por conta de Osasco e Barueri. Mas agora, Barueri está fechando as portas”, discursou Paulo Xavier (PSDB), em sessão.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVisão na Rede
Próximo artigoLapas e Dilma anunciam investimentos em mobilidade