Crianças e adolescentes de abrigos de Itapevi poderão ganhar padrinhos afetivos

Crianças e adolescentes de abrigos de Itapevi poderão ganhar padrinhos afetivos

0
Compartilhar
Foto de assistente social conduzindo duas crianças
Foto: divulgação/PMI

A partir desta segunda-feira, 31, crianças e adolescentes que moram em um dos dois abrigos administrados pela prefeitura de Itapevi poderão ganhar “padrinhos afetivos” da cidade ou da região. A entrada do município no programa Padrinho Afetivo, criado pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), foi oficializada em cerimônia realizada na Câmara Municipal na última quinta-feira, 27.

A versão municipal do programa é uma parceria do TJ-SP com o Ministério Público e a Secretaria de Desenvolvimento Social, Defesa da Cidadania e da Mulher de Itapevi. A ação tem como objetivo criar vínculos entre os moradores e as crianças e adolescentes em condições de abrigamento, para estimular o desenvolvimento dos jovens e a sua integração à sociedade.

Os dois abrigos de Itapevi têm capacidade para 20 crianças cada. São destinados a crianças e adolescentes acolhidos pelo poder público que, por medida de proteção, foram afastadas do convívio familiar. O programa oferecerá a eles a oportunidade de se relacionar com outras pessoas, construir vínculos e ter referências de participação familiar e cidadania.

Publicidade

“É gratificante perceber que há muitas pessoas dispostas a darem carinho e amor para as crianças e adolescentes em acolhimento”, disse o prefeito Igor Soares, durante o lançamento da ação. “Com o apadrinhamento, vamos conseguir dar mais dignidade para elas”.

“O programa abre uma nova possibilidade de desenvolvimento para os jovens abrigados”, diz Elaine Freitas, secretária de Desenvolvimento Social, Defesa da Cidadania e da Mulher. “Agora temos ferramentas jurídicas e legais para isso”, disse.
Para Renata Moreira, juíza da Vara da Infância e Juventude de Itapevi, “o apadrinhamento afetivo traz esperança no renascimento dos vínculos afetivos”.

Publicidade

No lançamento do programa, Sheila Carneiro, técnica do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, apresentou a uma palestra sobre adoção aos presentes. Segundo ela, o tempo médio para se iniciar o convívio com os jovens varia de três a seis meses, contando o início de processo de adesão ao programa. “O mundo apresenta coisas boas e felizes desde que o adulto possa ajudar essas crianças e adolescentes a construírem referências éticas, morais e de cidadania”, disse.

Como se tornar um Padrinho Afetivo?

A partir de segunda-feira (31), os interessados em participar do programa devem procurar o Setor Técnico da Vara da Infância e da Juventude no Fórum de Itapevi (Rua Bélgica, 405 – Jardim Santa Rita). As inscrições serão feitas de segunda a sexta-feira, das 12h30 às 18h30.

O papel dos padrinhos é dar suporte educacional e afetivo aos afilhados. Eles serão responsáveis por visitar a criança ou adolescente e, mediante autorização e supervisão, poderão realizar passeios e até mesmo viagens em finais de semana, feriados, aniversários dos afilhados e nas férias.

Podem ser padrinhos ou madrinhas pessoas ou casais a partir de 21 anos de idade, desde que respeitada a diferença de 16 anos entre os tutores e seus afilhados. É fundamental ter disponibilidade de tempo para oferecer atenção e afeto. Além de itapevienses, podem ser padrinhos moradores das cidades de Osasco, Carapicuíba, Barueri, Jandira, Cotia, Itapecerica da Serra, Embu das Artes, Embu Guaçu e Taboão da Serra.

Publicidade

Numa primeira fase, serão promovidas três oficinas de orientação para padrinhos e madrinhas. Em seguida, será realizado um encontro lúdico com os jovens, processo no qual há o chamado “pareamento” entre as crianças e adolescentes e seus futuros tutores. “É o processo de descobertas de afinidades e não de escolhas”, explicou Sheila Carneiro.

Para saber mais sobre o programa e como fazer para ser um padrinho, basta entrar em contato pelos telefones (11) 4141-7933 e 4142-8340.

Compartilhar

Comentários