Emidio lança candidatura à presidência do PT-SP em clima de campanha por...

Emidio lança candidatura à presidência do PT-SP em clima de campanha por Padilha ao governo

0
Compartilhar
"Precisamos eleger o Padilha e a Dilma", disse Lula / Foto: Leandro Conceição

Na noite de sexta-feira, 27, o ex-prefeito de Osasco, Emidio de Souza, lançou sua candidatura à presidência do PT-SP em evento no Centro de São Paulo com as presenças do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e de diversas outras lideranças do partido no estado.

"Precisamos eleger o Padilha e a Dilma", disse Lula / Foto: Leandro Conceição
“Precisamos eleger o Padilha e a Dilma”, disse Lula / Foto: Leandro Conceição

Candidato da corrente majoritária no partido, a Construindo um Novo Brasil (CNB), Emidio não deve ter dificuldades no pleito de novembro.

No evento, as lideranças destacaram a missão do provável próximo presidente do PT-SP de, nas eleições de 2014, conduzir o partido em busca de eleger seu primeiro governador em São Paulo. O candidato deve ser Alexandre Padilha. “Precisamos eleger o Padilha e a [presidente] Dilma”, afirmou Lula.

Publicidade

Emidio, que deve ser o coordenador da campanha de Padilha, defendeu o programa Mais Médicos, vitrine do ministro da saúde, e disparou contra o governador Geraldo Alckmin (PSDB), que tentará reeleição.

“Padilha vai enfrentar um candidato que está há quase 20 anos no Palácio dos Bandeirantes – entrou como vice de Mário Covas em 1995. E foi pelas mãos dele [de Alckmin] que o estado vendeu a Eletropaulo, privatizou as estradas, a Nossa Caixa, o Banespa”, afirmou o ex-prefeito.

Publicidade

“Um partido que governa o estado de São Paulo ser capaz de construir apenas 1,7 km de metrô por ano não tem nada de competência; um partido que vê a criminalidade crescer e não é capaz de fazer nada, não é capaz de oferecer à população um discurso de competência”, declarou Emidio.

Padilha, que ainda evita falar em candidatura, destacou que entre os desafios de Emidio está ampliar “a força e a importância do interior do estado”.

Sobre a disputa ao governo, o ministro despista: “Ainda não definimos quem vai ser o candidato. Mas temos certeza que com a força da nossa militância vamos mudar o estado, fazendo com que São Paulo cresça junto com o Brasil”.

Compartilhar

Comentários