Homem-Grilo, super-herói de Osasco, celebra 20 anos

0
homem grilo Osasco
Reprodução

Neste ano, o super-herói osasquense que ganhou poderes após ter sido mordido por um grilo radioativo completa 20 anos de história. O personagem criado por Cadu Simões teve sua primeira tira publicada na internet em junho de 2000 e conquistou o carinho de muitos osasquenses já que uma das missões do Homem-Grilo é proteger a ‘Osasco City’.

publicidade

Um ano depois da criação do personagem, nasceu a primeira tira impressa, publicada em uma fanzine, relíquia para os admiradores de histórias em quadrinhos. O Homem-Grilo foi criado por Cadu Simões sem pretensão alguma e cheio de contradições. Quando o artista decidiu escrever as histórias, já não tinha tanto afeto pelas HQs de super-heróis quanto na infância, mas essa questão não tirou a vontade de produzir.

homem grilo Osasco
Reprodução

“Comemorar 20 anos de publicação de uma história em quadrinhos feita de forma autônoma e independente é uma grande vitória. Trabalhar com arte e cultura em geral já não é algo fácil no Brasil e com histórias em quadrinhos é mais difícil ainda. De forma independe, então…”, contou Cadu Simões, em entrevista ao Visão Oeste.

publicidade

Com o passar dos anos, o personagem foi ganhando características únicas. “O Homem-Grilo não é um herói que se posta como salvador da pátria, acima da sociedade. Ele não luta apenas para proteger os fracos e oprimidos, mas para ajudar a fortalecê-los e empoderá-los diante de todas as opressões. Seja de classe, de raça, de gênero, e assim por diante”, explica Cadu.

De 2015 até 2019, o artista decidiu se dedicar em outras séries de histórias em quadrinhos que também foram criadas por ele, como Nova Hélade, Cosmogonias e Acelera SP, e deu uma pequena pausa na produção de conteúdo do Homem-Grilo. Nesse período, o personagem ganhou um parceiro nas aventuras, o Sideralman, que é um super-herói criado por Will, o desenhista oficial do Homem-Grilo. Essa parceria marcou uma nova fase das histórias em quadrinhos do super-herói osasquense.

publicidade
homem grilo osasco
Reprodução

“Nessa nova fase as histórias serão publicadas apenas de forma digital, no site dos personagens, em formato de pergaminho, que permite uma leitura melhor em celulares. E o financiamento dessa publicação será feito por financiamento coletivo na plataforma Catarse, mas as histórias serão gratuitas para todos, e publicadas sob uma licença livre Creative Commons”, afirma Cadu.

O Homem-Grilo

Carlos Parducci era um jovem como outro qualquer até ser mordido por um grilo radioativo (se é que os grilos mordem) e receber habilidades proporcionais à desse inseto, além do sensacional sentido de grilo (que ele não sabe pra que serve, mas tudo bem). Carlos então resolveu fazer bom uso de seus novos poderes e, assumindo o nome de Homem-Grilo, começou a combater o crime e a proteger os fracos e indefesos em Osasco City.

Mas para ele, mais do que uma grande responsabilidade, ser o Homem-Grilo é uma grande diversão, principalmente quando se tem a oportunidade de chutar a bunda de vilões megalomaníacos que querem dominar o mundo (e está cheio deles por aí!).

osasco homem grilo
Reprodução

Carlos mora em um pequeno apartamento alugado, que divide com seu amigo Vina, e está cursando Ciência da Computação, mas não é um aluno muito aplicado e muito menos um frequentador assíduo das aulas, principalmente quando ele tem que resolver algum problema como Homem-Grilo.

Em pouco tempo atuando como super-herói, ele já fez uma grande coleção de inimigos, e possui uma galeria de vilões mais esquisitos que os do Batman e do Homem-Aranha juntos. Mas isso não é problema, pois o Homem-Grilo não teme nada nem a ninguém. Bem! Na verdade só existe uma coisa que ele tem medo: baratas.

Famoso barzinho na avenida dos Autonomistas

Muitas pessoas conheceram o personagem pelas ilustrações no famoso barzinho na avenida dos Autonomistas. Até hoje o Homem-Grilo está estampado nas paredes do estabelecimento. “Moro na Cidade das Flores e sempre que passo em frente ao barzinho que tem grafitado o Homem- Grilo, fico intrigada com essa história em quadrinhos. Finalmente acessei o site e matei a minha curiosidade”, comentou um internauta.

Bar Simões Osasco
O Bar Simões é um dos bares mais tradicionais de Osasco, e fica na avenida dos Autonomistas, 6.098 / Foto: Reprodução

“Aquele grafite no boteco foi uma ideia muito boa… Muita gente que passa lá sempre olha, assim como eu”, disse outro. “Parece que não sou o único que era super intrigado pelo famoso grafite do barzinho na Autonomista”, comentou outro.

São muitos os comentários a respeito do “intrigante” grafite de um super-herói verde. “Muito bom saber que existe um super-herói perto sempre que precisar”, disse um osasquense, encantado com o trabalho de Cadu. “Até que enfim conheci o Homem-Grilo! Ainda vou tomar um ‘goró’ no bar, vou sim! Ideia muito boa”, disse outro.

O que muitos não sabem é que o grafite não é uma singela coincidência. O bar com as paredes ilustradas pertence ao pai de Cadu, o senhor Mário Simões e é mais antigo do que o próprio município de Osasco. “O bar foi fundado pelos meus avós, e em dezembro irá fazer 65 anos. Já a iniciativa de fazer os grafites do Homem-Grilo na fachada foi do meu pai, que é um grande fã do personagem, acho que é o maior fã”.

Personagem pode ser usado gratuitamente por outros artistas

O Criative Commons é um tipo de licença livre, que permite o compartilhamento e a criação de obras derivadas, inclusive para uso comercial, desde que os autores tenham conhecimento e possam até mesmo fazer sugestões.

“Algo que me alegrou nesses 20 anos de publicação do Homem-Grilo foi ver ele sendo usado por outros criadores para os mais variados tipos de obra. Foram ilustrações, HQs, animações, graffitis, artesanatos. Só não rolou games e filmes, mas não foi por falta de propostas”, afirma Cadu Simões, criador do personagem.

homem grilo 20anos
Reprodução

Não é necessário pedir permissão antecipada ou pagar qualquer tipo de taxa de licenciamento dos autores, mas ainda assim, as obras são protegidas por direitos autorais.

Pandemia e o futuro dos super-heróis

A pandemia de covid-19 também trouxe diversos impactos ao criador do Homem-Grilo, que não pensa em retratar o tema em suas HQs. Cadu afirma que a pandemia atrapalhou indiretamente a sua produção, pois ele tem artrite reumatoide, uma doença autoimune, que o coloca no grupo de risco da covid-19.

O artista está em isolamento desde fevereiro, quando houve a constatação do primeiro caso do novo coronavírus no Brasil, e, segundo ele, manter a sanidade mental para produzir em meio à pandemia tem sido um grande desafio. Além disso, sofre com cansaço e fadiga constante que a artrite reumatoide provoca, o que o impede de trabalhar, estudar, fazer as tarefas domésticas, entre outras atividades.

“Eu comecei a sentir dores reumáticas em 2013 e comecei a fazer tratamento em 2014. A doença ficou estável, mas esse ano voltei a ter muitas crises, e por conta do isolamento, não estou conseguindo fazer o acompanhamento como deveria”, explica.

Acometido pela doença e impedido de sair livremente para distribuir seus quadrinhos impressos nas livrarias ou vendê-los em eventos, Cadu diz que vai focar na produção de quadrinhos digitais que continuarão sendo publicados na internet, no formato pergaminho, que é melhor adaptado pra leitura em celular, pois basta deslizar o dedo pela tela para ler a história.

“Por enquanto apenas o Homem-Grilo e Nova Hélade possuem site. Mas pretendo também criar uma site pras Cosmogonias e Acelera SP. E depois disso, vou criar uma campanha única de financiamento coletivo recorrente pra todas as séries, mas serão todas publicadas gratuitamente”, finaliza.

Quem quiser conhecer mais sobre o trabalho de Cadu Simões, basta acessar o site do Homem Grilo.

Confira na íntegra a entrevista com o criador do Homem-Grilo, o super-herói de Osasco:

O que o 20° aniversário simboliza/representa pra você, que criou o Homem-Grilo sem pretensão alguma, e que vem alcançando tantas pessoas até hoje?

Comemorar 20 anos de publicação de uma história em quadrinhos feita de forma autônoma e independente pra mim é uma grande vitória. Pois trabalhar com arte e cultura em geral já não é algo fácil no Brasil, com histórias em quadrinhos é mais difícil ainda. De forma independe, então…

“O Retorno do Robô-Retrô” foi a única publicação de quadrinhos desde 2015. O que houve nesse período? A capa dela diz ainda que é a primeira aventura na nova fase. O que seria essa nova fase?

De 2015 até 2019 eu me dediquei mais as minhas outras série de histórias em quadrinhos, como Nova Hélade, Cosmogonias e Acelera SP, e acabei deixando o Homem-Grilo um pouco de lado.

Em 2015, o universo ficcional do Homem-Grilo foi unificado com o do Sideralman, que é um super-herói criado pelo Will, que hoje é o desenhista oficial do Homem-Grilo.

Essa seria a nova fase. Mas por conta de um monte de contratempos, ela ainda não começou a ser publicada. Nessa nova fase as histórias serão publicanas apenas de forma digital, no site dos personagens, em formato de pergaminho, que permite uma leitura melhor em celulares. E o financiamento dessa publicação será feito por Financiamento Coletivo Recorrente no Catarse. Mas as histórias serão gratuitas para todos, e publicadas sob uma licença livre Creative Commons.

Legal é que as histórias continuarão sendo gratuitas, que é algo que você defende desde sempre…

Sim, mesmo quando eu ainda fazia os quadrinhos impressos, que eram vendidos em livrarias especializadas e eventos de quadrinhos, ainda assim sempre mantive as histórias em quadrinhos na Internet. E na internet sempre foi gratuito.

Muitas pessoas, inclusive eu, conheceram o seu personagem pelas ilustrações no “famoso barzinho na Avenida dos Autonomistas”. Até hoje o Homem-Grilo está estampado nas paredes daquele bar… Fale um pouco a respeito. Você tem alguma ligação com aquele estabelecimento ou os desenhos nas paredes, que trouxeram visibilidade da sua arte para tanta gente, são aleatórios mesmo?

O Bar Simões pertence ao meu pai, Mario Simões, e foi dele a iniciativa de fazer os graffites do Homem-Grilo na fachada do bar, pois ele é grande fã do personagem, acho que é o maior fã. O bar foi fundado pelos meus avós, e em dezembro irá fazer 65 anos. Ou seja, o bar é mais antigo que a própria cidade de Osasco.

Você tem escrito ou pensa em falar em algum quadrinho sobre a pandemia de covid-19?

Quanto à covid, não pensei em fazer nenhum quadrinho a respeito. Na verdade, ela tem de forma indireta atrapalhado a minha produção. Estou em isolamento desde fevereiro, e não tem sido fácil manter a sanidade mental para produzir.

O osasquense Cadu Simões é historiador por formação e roteirista por insistência / Foto: reprodução

Em post em comemoração aos 20 anos do seu personagem, você comentou que tem enfrentado o reumatismo. Se quiser, pode falar a respeito, contar como tem sido para produzir os conteúdos e tudo mais…

Sim, eu tenho artrite reumatoide, e por ser uma doença autoimune faz com que eu eu tenha insuficiência de imunidade. Uma gripezinha já me derruba por semanas. Comecei a sentir dores reumáticas em 2013 e comecei a fazer tratamento em 2014.

A doença ficou estável, mas esse ano voltei a ter muitas crises, e por conta do isolamento, não estou conseguindo fazer o acompanhamento como deveria. E parece que atualmente Osasco está sem reumatologista na sua rede do SUS, então quando essa pandemia acabar, provavelmente vou ter que dar um jeito de fazer o tratamento em outra cidade.

A pior parte do reumatismo nem são as dores em si, mas o cansaço e fadiga constante que ele traz. É isso que mais atrapalha a trabalhar, estudar, fazer as tarefas domésticas, etc.

E você tem algum plano em especial, em relação ao seu personagem/ projetos, para quando esse período passar?

Como por questões de saúde eu parei de fazer quadrinhos impressos, pois não tenho mais como distribuí-los nas livrarias e vendê-los nos eventos, vou focar apenas em produzir quadrinhos digitais publicados na Internet em formato de pergaminho, que como te disse, é melhor adaptado pra leitura em celular, pois basta deslizar o dedo pela tela para ler a história.

Por enquanto, apenas o Homem-Grilo e Nova Hélade possuem site. Mas pretendo também criar uma site pras Cosmogonias e Acelera SP. E depois disso, vou criar uma campanha única de financiamento coletivo recorrente pra todas as séries, mas serão todas publicadas gratuitamente.

Jenifer Oliveira

Comentários