Eduardo Guimarães: Moro queria humilhar Lula e saiu humilhado

Eduardo Guimarães: Moro queria humilhar Lula e saiu humilhado

2
Compartilhar
Eduardo Guimarães é jornalista - Publicado originalmente no Blog da Cidadania

Se tivesse que resumir o que creio que decorreu do 10 de maio de 2017 – data a ser imortalizada –, diria que foi o dia da inflexão política brasileira após um processo acelerado de degradação institucional do país.

Publicidade

A iniciativa de trazer o ex-presidente Lula a Curitiba e dar a essa iniciativa uma publicidade imensa, foi (exclusivamente) do juiz Sergio Moro. Ele poderia ter feito outras opções. Por exemplo, poderia ter mantido sigilo sobre a oitiva ou fazê-la por teleconferência.

Por que? Em benefício do Erário, entre outros fatores.

Escrevo de Curitiba, já na madrugada de quinta-feira 11 de maio. Na noite anterior, jantei com advogados e juristas curitibanos que avaliaram que a operação em torno do depoimento do ex-presidente pode facilmente ter custado acima de milhão de reais (!)

Quantas casas populares ou escolas poderiam ter sido feitas com esse dinheiro?

Publicidade

Por que se optou por trazer Lula a Curitiba e dar grande publicidade ao fato só para, depois, o juiz Moro gravar vídeo manifestando preocupação com o resultado do que ele mesmo armou?

É simples: Moro esperava dar o golpe de misericórdia em Lula em sua oitiva em Curitiba. O ex-presidente chegaria atemorizado, seria humilhado por uma horda de camisas-amarelas furiosos e, se desse, sairia preso da audiência.

O vídeo [aqui] mostra que não foi bem isso o que ocorreu.

Mas o que você acaba de assistir é só parte da história. Nos primeiros dias após a convocação de Lula por Moro, a direita jurídico-midiática pareceu fazer pouco caso da iniciativa do PT de levar militantes a Curitiba para proteger Lula das milícias moristas que certamente estariam esperando o ex-presidente à porta do prédio da Justiça Federal naquela cidade.

Publicidade

Conforme o tempo foi passando, e a mobilização aumentando, Moro começou a se dar conta de que seu plano não iria sair como pensava. As milícias fascistas não fariam frente à maré vermelha que engolfaria Curitiba, do ponto de vista numérico, e, mesmo se fizessem, produzir-se-ia um confronto de proporções e resultados imprevisíveis.

E Moro, que optou pela oitiva destrambelhada de Lula, seria o responsável.

O resultado desse plano infalível da republiqueta fascista de Curitiba – que faliu miseravelmente porque a esperteza, quando é muita, engole o dono – você confere no vídeo [aqui].

Compartilhar

Comentários