Aécio diz estar cada vez mais próximo de Marina

0
Alckmin, Aécio e o ex-jogador Ronaldo

Alckmin, Aécio e o ex-jogador Ronaldo
Alckmin, Aécio e o ex-jogador Ronaldo

publicidade

O candidato à Presidência da República Aécio Neves (PSDB) comemorou o resultado da pesquisa divulgada ontem pelo Datafolha. Ele aparece com 18%, contra 27% de Marina Silva (PSB) e 40% da presidente Dilma Rousseff (PT). “Nossa diferença para a Marina só diminui. Estamos em rota de crescimento e vamos ao segundo turno”, disse em Osasco, onde concedeu entrevista nesta manhã na sede do jornal Diário da Região, em evento promovido pela Associação dos Jornais do Interior (Adjori-SP). Aécio disse que o resultado mostra que sua candidatura é a maneira mais segura de tirar o PT e criticou “contradições” de Marina. O tucano oscilou um ponto para cima em relação à pesquisa anterior, dentro da margem de erro.

Ao lado do governador e candidato à reeleição Geraldo Alckmin (PSDB) e do ex-jogador Ronaldo, apoiador do partido, Aécio fez críticas ao governo petista, utilizando sobretudo as denúncias de corrupção na Petrobras e a delação premiada do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa, preso pela operação Lava Jato, da Polícia Federal. “Uma organização criminosa se instalou na empresa”, acusou. Ele também criticou o que chamou de uso da Petrobras como “instrumento de política econômica para controlar a inflação”, por retardar aumentos da gasolina.
Sobre privatizações, o candidato do PSDB disse que empresas como a Petrobras são estratégicas e classificou de “terrorismo do PT” informações de os tucanos tinham planos de passar a estatal para a iniciativa privada. “A Petrobras jamais esteve no radar de privatizações”, afirmou.
O presidenciável voltou a dizer que vai reduzir “pela metade” a quantidade de ministérios, mas a única pasta que citou como dispensável foi o Ministério da Pesca. Também propôs criar o Ministério da Infraestrutura e o “Superministério” da Agricultura. Outra proposta é a de desonerar de PIS e Cofins as empresas de saneamento básico.
Fator Previdenciário
Após ter se comprometido com o fim do fator previdenciário, Aécio Neves voltou atrás e disse apenas que pretende buscar maneiras de extingui-lo. A contradição fez com que o próprio site de campanha do candidato alterasse título de matéria que afirmava: “Aécio vai acabar com o fator previdenciário”.
Questionado pelo Visão Oeste sobre o assunto, Aécio manteve o discurso de que a questão depende de negociação. “Vamos encontrar uma forma para substituir o fator previdenciário por um outro mecanismo que não puna os aposentados. Faremos isso numa negociação com a Força Sindical e as demais centrais sindicais que representam os aposentados”, disse.
Reforma política
Aécio e Alckmin defenderam uma reforma política que reduza o número de partidos. Segundo Aécio, a proposta que enviaria ao Congresso “na primeira semana de mandato” incluiria a cláusula de desempenho, para restringir o fundo partidário e tempo de TV e rádio a partidos com representação no Congresso, além do mandato de cinco anos e fim da reeleição e o voto distrital misto.
Alckmin foi instado a responder sobre o assunto devido ao apoio que recebeu do ex-prefeito de Osasco, Francisco Rossi, à sua reeleição. Rossi é filiado ao PR, partido que está no arco de alianças do candidato Alexandre Padilha (PT). “O Brasil tem 32 partidos, por isso tenho defendido a reforma política”, disse Alckmin.

publicidade
Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCharge
Próximo artigoMesmo com falta de água, Alckmin nega racionamento