Aluísio: Voto distrital acaba com os partidos

1

Aluisio espera "manutenção tranquila da base aliada" / Foto: Eduardo Metroviche
Aluisio Pinheiro é vereador em Osasco pelo PT/ Foto: Eduardo Metroviche

publicidade

Em meio ao debate sobre a reforma política ideal, deputados e senadores correm para fixar na agenda do Congresso Nacional suas posições e aproveitam a grita das manifestações de rua para costurar medidas que impõem modelos mais vantajoso para suas legendas e que tentam atender os anseios populares. É o caso do PLS nº 25/2015 de autoria do senador José Serra (PSDB-SP), recentemente aprovado Comissão de Constituição e Justiça do Senado. A medida visa instituir o voto majoritário, mais conhecido como voto distrital, nos municípios com mais de 200 mil habitantes como teste já para as próximas eleições.

Estudo realizado pelo blog “Novas Cartas Persas” revela que o distrito despreza votos, cria desproporcionalidade, enfraquece os partidos, amplia o personalismo, tende ao bipartidarismo, reduz a participação de minorias e aumenta o peso do poder econômico.

publicidade

A recente eleição do Reino Unido mostrou suas distorções, como bem registrou a BBC. O Partido Conservador, do premiê David Cameron, obteve quase 2 milhões de votos de diferença para o Partido Trabalhista, num total de 11,3 milhões de votos contra 9,3 milhões. Já o número de cadeiras não seguiu a proporcionalidade de votos e mostrou o abismo entre os dois partidos na divisão de cadeiras no parlamento: 331 contra 232. 

Nesse sistema ganha o candidato que obtém a maioria simples dos votos em cada distrito. Se o voto no partido for espalhado pelo país, ele terá uma boa votação, mas pode não conseguir eleger ninguém.

publicidade

O sistema “nos EUA de voto distrital, por exemplo, piora a cada ano. A justificativa de que o eleitor se aproxima do eleito pelo distrito não é uma verdade absoluta. Pesquisa realizada pelo Instituto Gallup em 2013 apontou que 65% dos eleitores do país não souberam informar nem sequer o nome de seus representantes. Não muito diferente do Brasil, onde, em 2006, 71% dos eleitores não lembravam o nome de seu candidato. Além disso, os custos de campanha dos deputados são altíssimos e continuam crescendo. De 1986 para 2014, os valores passaram de US$ 776,7 mil (em valores de 2014) para US$ 1.093.405,00 por candidato, segundo apurou o The Finance Campaign Institute.

Outra distorção é o de não melhorar a avaliação da população sobre os parlamentares. Em 2010, apenas 19% aprovavam a atuação dos parlamentares nos EUA. Esse número caiu para 15% em 2014, segundo o Instituto Gallup.

No nosso caso, em nenhum momento houve um debate público que convencesse e muitos menos que dialogasse com a população para contribuirmos com a questão. Querem impor a força uma reforma política remendada e sem consistência. 

Não existe um sistema eleitoral prefeito. Há sempre vantagens e desvantagens. Entretanto, o voto distrital é danoso para o sistema eleitoral brasileiro. A proposta do senador tucano empobrece os parlamentos. Dialogar e consultar a população é a melhorar maneira para que ela possa influir num sistema eleitoral que permita escolher seus representantes de acordo com suas convicções políticas e sociais, diminuindo as distorções que possam gerar a redução da representatividade dos trabalhadores e do conjunto da sociedade e aumentando ainda mais a força do capital e de setores conservadores nos parlamentos.

Comentários

1 COMENTÁRIO

  1. Infelizmente tem parlamentares e senadores que pensam que o melhor sistema eleitoral é de fora e não das diferencia de cada pais e penso que isso danoso que parlamentares,senadores e a mídia conservadora liderada pela sua decadente revista Veja pensa que o melhor sistema de escolha dos eleitos é distrital e por isso possibilita que as maiores legendas e os nanicos no caso de algumas cidades ser fortaleça e não esse sistema atual que é mais justo que é dar oportunidades para todos para poder concorre a um cargo político e a proposta de voto distrital é injusto e favorece as maiores legendas nos estados e no país e no caso de partidos médios e pequenos em cidades com mais de 200 mil habitantes e também o abismo financeiro nas campanhas, eu defendo o atual sistema de escolha e o não fim das coligações e somente os mais votados podem assumi o mandato e um financiamento das campanhas eleitorais com limite de gastos em todas as campanhas e misto e o não fim da veiculação das propaganda eleitoral no rádio e na TV e por isso flexibilizar os horários nas emissoras do segmento comercial e nas rádios e TV estatais( públicas) e nas comunitárias passaria no horário estabelecido:7:00 e 12:00 no rádio e na TV entre 13:00 e 20:30 da noite nas emissoras de rádio e TV pública e rádios e TV comunitária e nas emissoras de rádio e TV do segmento comercial com a flexibilização entre 7:00 às 10:00 e 12:00 às 15:00 horas no rádio e na TV entre 13:00 às 16:00 e 20:30 às 10:00 da noite.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEtecs prorrogam prazo para inscrições no vestibulinho
Próximo artigoBruno Caetano: cuidado com o batedor de carteira digital