Cinco PMs e um guarda de Barueri são presos

0
Protesto realizado no Jardim Munhoz Jr., em Osasco, após ataques que deixaram 19 mortos / Foto: Leandro Conceição

Foram presas nesta quinta-feira, 8, mais seis pessoas suspeitas da chacina que matou 19 pessoas em Osasco e Barueri no noite do dia 13 de agosto. Cinco policiais militares e um coordenador da Guarda Civil Municipal de Barueri foram alvo da força-tarefa que investiga os crimes. Um PM já estava preso desde agosto.

publicidade
Protesto realizado no Jardim Munhoz Jr., em Osasco, após ataques que deixaram 19 mortos / Foto: Leandro Conceição
Protesto realizado no Jardim Munhoz Jr., em Osasco, após ataques que deixaram 19 mortos / Foto: Leandro Conceição

Também foram cumpridos 28 mandados de busca e apreensão em 36 lugares, obtidos perante a Justiça Criminal de Osasco e a Justiça Militar, todos relacionados com a chacina. Outros três PMs foram presos nesta quinta-feira, dois por porte de munição de uso restrito e um suspeito de envolvimento na chacina que vitimou quatro adolescentes em frente a uma pizzaria na Vila Cretti, em Carapicuíba, dia 19 de setembro. Os rapazes eram entregadores de pizza.

“Em dois dos locais em que cumprimos mandado de busca e apreensão prendemos outros dois policiais militares em flagrante porque encontramos em suas residências armas e munição não autorizadas a eles. Não há relação com a chacina”, disse o secretário de Segurança, Alexandre de Moraes. “Outra pessoa foi presa em Carapicuíba, mas não tem relação com Osasco e sim com outro caso”, disse.

publicidade

Os cinco suspeitos da chacina de agosto foram encaminhados ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e encaminhados ao presídio Romão Gomes, na zona Norte da Capital. Eles tiveram a prisão preventiva decretada. Documentos, celulares e outros materiais que poderiam comprovar a participação dos suspeitos nos crimes foram recolhidos pela polícia.

A Secretaria de Segurança Pública não revelou detalhes sobre os presos. A informação é de que os indícios surgiram através de grampos telefônicos, imagens de câmeras de segurança e monitoramento de sinal de telefones celulares.

publicidade

Barueri
A prefeitura de Barueri não deu detalhes sobre a prisão de um integrante da Guarda Municipal. A assessoria de imprensa disse apenas que ele chefiava um dos grupamentos da corporação.

Comentários