Empresário que humilhou PMs gera revolta e coloca Alphaville nos Trending Topics do Twitter

2
empresario pm alphaville 2
Foto: reprodução

O caso do empresário Ivan Storel, filmado humilhando policiais militares que foram à sua mansão em Alphaville, na parte do bairro nobre que fica em Santana de Parnaíba, revoltou internautas e foi parar nos Trending Topics (assuntos mais discutidos do momento) do Twitter neste sábado (30).

“EU ESTOU CHOCADA. QUEM é esse monstro ridículo escroto de Alphaville falando desse jeito com um PM, um ser humano que está trabalhando?? Eu não estou ACREDITANDO”, postou a jornalista Rosana Hermann.

“Você imagina ou que acontece se esta cena estiver em Paraisópolis e não em Alphaville? Como seria o desfecho dessa história do ofensor não ganhar R$ 300 mil?”, questionou o jornalista e ativista William de Luca.

Publicidade
empresario pm alphaville
“Não pisa na minha calçada, não pisa na minha rua. Eu vou te chutar na cara, filho da p…”, disse empresário Ivan Storel a policial militar

A polícia teria sido chamada para a casa do empresário pela esposa dele, que fez uma denúncia de violência doméstica. Chegando ao local, a dupla de policiais, um homem e uma mulher, foi recebida com ofensas e xingamentos por Ivan Storel. O ataque foi filmado por um dos PMs.

“Você é um b…. É um m… de um PM que ganha mil reais por mês, eu ganho 300 mil reais por mês. Quero que você se f…, seu lixo do c…”, disse o empresário. Em seguida, após supostamente falar no telefone, ele continua: “Você não me conhece. Você pode ser macho na periferia, mas aqui você é um b…. Aqui é Alphaville, mano”.

“Não pisa na minha calçada, não pisa na minha rua. Eu vou te chutar na cara, filho da p…”, declarou o empresário. Ele também chamou a policial militar feminina de “p…”.

A dupla de PMs chamou reforço e ele foi detido e conduzido à Delegacia da Mulher, onde foi lavrado boletim de ocorrência por desacato, desobediência, ameaça, injúria e violência doméstica.

O empresário, que diz estar abalado psicologicamente, foi liberado para responder em liberdade. (Com informações do portal “Ponte Jornalismo”).

Comentários