Mulher é acusada pelos filhos de dopar o marido para ficar com aposentadoria de R$ 23 mil

0
mulher acusada de dopar marido para ficar com aposentadoria
Enteados afirmas que o aposentado estava sendo dopado pela mulher / Foto: Reprodução

Uma mulher de 53 anos é acusada pelos próprios filhos de dopar, agredir e manter em cárcere privado o marido, um servidor aposentado do Banco Central, de 49 anos, para ficar com a aposentadoria dele. De acordo com a denúncia, ela queria controlar a aposentadoria do companheiro, com vencimentos de aproximadamente R$ 23 mil.

publicidade

O caso aconteceu em Águas Claras, no Distrito Federal, e foi exposto após uma ambulância do SAMU e viatura da Polícia Militar serem acionadas para socorrê-lo. Na delegacia, os filhos da mulher e enteados do analista afirmaram que ele era agredido pela parceira e era obrigado a tomar medicamentos, inclusive alguns utilizados para castração química.

Os filhos de Maruzia das Graças Rodrigues descobriram a situação em que o padrasto vivia ao visitá-lo. Eles esperaram o momento em que a mãe foi internada para se submeter a uma cirurgia plástica para ir até o apartamento onde o casal vive. O homem, que foi apesentado por invalidez em 2019, devido ao diagnóstico de alienação mental, foi encontrado debilitado, sem conseguir falar ou andar.

publicidade
mulher acusada de dopar marido ara ficar com aposentadoria
Foram encontrados vários frascos de Retrovil e remédios usados para castração química / Fotos: Reprodução

Uma das filhas afirmou que teria encontrado ao menos 13 frascos de Retrovil no imóvel, muitos deles vazios. “Quando a equipe do Samu chegou ao apartamento, constatou que uma superdosagem medicamentosa havia sido ministrada. Temos a suspeita de que ele tenha sido obrigado a tomar dezenas de pílulas em um curto período de tempo. Sem falar os remédios usados para a castração química”, contou a filha da acusada, ao “Metrópoles”.

“A situação do meu padrasto é tão cruel e humilhante que ele escreveu em uma folha de papel uma espécie de lista de desejos”, continuou, mencionando uma lista escrita a caneta com itens simples, como roupas, meias, cuecas, fones de ouvido e aparelho celular.

publicidade

Ainda de acordo com o “Metrópoles”, uma empregada doméstica que trabalhou no apartamento do casal disse ter presenciado as agressões e já prestou depoimento. Ela afirma que chegou a ver manchas de sangue nas roupas de cama e no chão do apartamento. Foram anexados fotos e vídeos na denúncia, que é investigada pela Polícia Civil do Distrito Federal.

VOLTA POR CIMA// Borracheiro osasquense se inspira em game, estuda programação e é contratado pela MaxMilhas

Comentários