Mulher sai de casa para trabalhar, é encontrada com o corpo queimado e morre em Itapevi

0
adriana itapevi
Reprodução / Record TV

Uma mulher morreu após sofrer abuso sexual, agressões, e ter mais de 75% do corpo queimado, em Itapevi. Ela havia saído de casa, em Cotia, dizendo que faria um bico como faxineira, mas não chegou ao destino. O marido relatou, segundo reportagem da Record TV, que a esposa sofria de transtornos psiquiátricos e já havia tentado se suicidar devido a dívidas com um agiota.

publicidade

Adriana Regina Alves Munhoz, de 45 anos, era casada há mais de 30 anos com o policial militar Marcelo Munhoz, de 49. Ela deixa 3 filhas.

A mulher estava desempregada e fazia bicos como faxineira. Na segunda-feira (12), saiu de casa pela manhã dizendo que faria a limpeza de um apartamento na Vila Leopoldina, na zona Oeste de São Paulo, mas não chegou ao destino.

publicidade

No mesmo dia, por volta das 15h, o marido dela recebeu as seguintes mensagens enviadas pelo celular de Adriana: “Grande, pegamos sua esposa (…) alguém tem que pagar. Vamos dar um sustinho nela. Daqui a pouco você tem notícias dela. Já confessou vários ‘b.o’, agora vamos dar uma surra para aprender”.

mensagens adriana itapevi
Mensagens enviadas pelo celular de Adriana ao marido dela / Foto: reprodução / Record TV

No fim da tarde, duas mulheres faziam caminhada próximo a uma área de mata na estrada Rodovia Engenheiro Renê Benedito da Silva, em Itapevi, quando ouviram gritos de socorro. Adriana estava dentro de um córrego, sem roupa, com o corpo queimado.

publicidade
itapevi
Local onde Adriana foi encontrada / Foto: reprodução / Record TV

Adriana chegou a ser levada pelo SAMU para um hospital, mas, com mais de 75% do corpo queimado, não resistiu e morreu. Na ambulância, antes de morrer, ela relatou ter sofrido abuso sexual e agressões físicas, antes de ser queimada com gasolina.

O marido relatou que a esposa sofria de transtornos psiquiátricos e, em fevereiro, chegou a tentar se suicidar por causa de dívidas com um agiota. A Polícia Civil investiga o caso. (Com informações da Record TV)

Comentários