Prefeito diz que atuais funcionários devem ser contratados por OS que assumir Hospital Antonio Giglio

Troca de gestão no Hospital de Osasco causa incerteza nos funcionários

2
Prefeito diz que atuais funcionários devem ser contratados por OS que assumir Hospital Antonio Giglio

O contrato de gestão compartilhada do Hospital Municipal Antonio Giglio entre a Prefeitura de Osasco e a Fundação do ABC terminou nesta quinta, 27. De acordo com as informações da Secretaria de Saúde, a parceria não será renovada devido ao não cumprimento de metas e procedimentos. O custo por mês com a OS, era de R$ 10 milhões.

A pasta discute a transição da Fundação com a nova Organização Social (OS) que assumirá a gestão do Hospital e UPA, em caráter emergencial por até 180 dias.

O prefeito Rogério Lins (PTN) garantiu que os serviços não serão interrompidos até que seja feita a contratação emergencial de uma nova OS para administar o hospital. “Até a conclusão desse processo, os serviços continuam com a Fundação do ABC”, disse.

Publicidade

Também será iniciado um processo de licitação para contratação de OS definitiva.

A FUABC assumiu a gestão do hospital em 2015, com 770 funcionários vinculados, e a UPA Centro em junho de 2016. Com a mudança de OS, os trabalhadores temem demissões ou até problemas maiores, como o vivido por funcionários do Hospital de Barueri (leia ao lado).

“Estamos angustiados pra saber o que vai acontecer, não sabemos ainda e estamos aguardando um posicionamento”, relatou um funcionário que não quis se identificar. “O que acontecerá? Pois o sustento de nossas famílias vem de lá e não tem comunicado sobre isso”, declarou outro.

O prefeito de Osasco diz que o objetivo é reaproveitar os trabalhadores e não prejudicá-los. “O nosso posicionamento como governo, é que a empresa que vai assumir absorva o quadro de técnicos, mas não podemos garantir que vai absorver 100% dos funcionários. Quero que comece a seleção com os profissionais que estão lá, mesmo porque eles já conhecem a rotina, pacientes e vão ajudar que já comece bem o serviço”, destacou.

Imbróglio em Barueri 

Em Barueri, a substituição da OS que administrava o Hospital Municipal de Barueri, resultou na demissão de aproximadamente 1300 funcionários, que vivem impasse para receber as verbas trabalhistas.

A organização que saiu da administração do hospital deixou dívidas trabalhistas pendentes e a prefeitura barueriense diz que não vai assumi-las. Com isso, os trabalhadores devem ir à Justiça para tentar resolver as pendências.

Comentários

2 COMENTÁRIOS

  1. Uma grande mentira. Uma falta de respeito com os funcionários , colocando empresas terceiras para por o pessoal pra trabalhar . Estavamos esperando ser sub-rogados conformo promessa politica porém,estão mandando os funcionários procurar a Fundação do ABC em Santo André que absurdo. Estamos trabalhando a partir do dia 01.08.2017 sem registro em carteira ,vale transporte e vale cesta e vr

  2. Indignação total ! Uma falta de respeito com os funcionários , colocando empresas terceiras para por o pessoal pra trabalhar . Estavamos esperando ser sub-rogados conformo promessa politica porém,estão mandando os funcionários procurar a Fundação do ABC em Santo André que absurdo. Estamos trabalhando a partir do dia 01.08.2017 sem registro em carteira ,vale transporte e vale cesta e vr.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLula lidera intenções de voto na região
Próximo artigoOperação “Osasco Renovada” no Bela Vista