Início Destaque Região terá urnas do plebiscito popular da reforma política

Região terá urnas do plebiscito popular da reforma política

0
Os vereadores Valdir Roque, Alex Sá, Aluísio Pinheiro, Branco e Mazé falam sobre o plebiscito / Foto: Eduardo Metroviche

Os vereadores Valdir Roque, Alex Sá, Aluísio Pinheiro, Branco e Mazé falam sobre o plebiscito / Foto: Eduardo Metroviche
Os vereadores Valdir Roque, Alex Sá, Aluísio Pinheiro, Branco e Mazé falam sobre o plebiscito / Foto: Eduardo Metroviche

publicidade

William Galvão

Entre os dias 1º e 7 de setembro, o movimento pelo Plebiscito Popular, que inclui mais de 300 entidades, vai consultar a população para pressionar o Congresso Nacional por uma Constituinte Exclusiva e Soberana pela reforma política, um dos temas levantados nas manifestações de junho de 2013.

publicidade

Na região, serão espalhadas 175 urnas – número que ainda pode crescer – nas cidades de Carapicuíba, Embu Guaçu, Cotia, Barueri e Osasco, que abrigará 115 delas.
O projeto, encaminhado pela presidente Dilma Rousseff ao Congresso Nacional no ano passado, não foi levado à frente pelos parlamentares. Apesar de ser apenas simbólico, o plebiscito vai trazar a seguinte pergunta: “Você é a favor de uma Constituinte Exclusiva e Soberana sobre o sistema político?”.

Movimento quer pressionar o Congresso Nacional

A expectativa do Comitê Regional Metropolitano Oeste, que inclui cidades da região, é colher 200 mil assinaturas. A contagem dos votos regionais deve ser finalizada no dia 14. Em âmbito nacional, a contagem termina no dia 21. O próximo passo, segundo a vereadora osasquense Mazé Favarão (PT), “é a cobrança para que o Legislativo de Brasília convoque um plebiscito oficial ou diretamente uma constituinte”.

publicidade

“Como agentes políticos que somos não temos a ilusão de que o plebiscito vai ser a solução. Sabemos que é um passo de manifestação popular para quantificar a insatisfação daqueles que foram às ruas em junho”, afirmou a vereadora. A intenção é conseguir 10 milhões de votos em todo o país, assim como aconteceu em 2002 com o plebiscito popular contra a adesão do Brasil à Área de Livre Comércio das Américas (ALCA).
O movimento é bastante amplo e há sugestões para a reforma política vindo de todas as entidades envolvidas. No entanto, cinco itens são consensuais: vetar o financiamento privado de campanhas eleitorais; voto em lista fechada e pré ordenada; assegurar a paridade entre homens e mulheres na composição das listas partidárias; o fim das coligações para eleições proporcionais (vereadores e deputados estadual e federal); e a ampliação de mecanismos de democracia participativa.

Até dia 31 serão divulgados os locais para votação no site www.plebiscitoconstituinte.org.br, onde os interessados também poderão registrar seu voto.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrefeitura de Osasco amplia frota de veículos
Próximo artigoVisão Atenta