Reunião de prefeitos discute mudança do Ceagesp para área da Lagoa de Carapicuíba

6
Prefeitos e representantes do governo do estado durante reunião extraordinária do Cioeste nesta terça-feira (2) para discutir possível mudança do Ceagesp / Foto: Sérgio Gobatti

Neste terça-feira (2) foi realizada reunião extraordinária dos prefeitos das cidades que formam o Consórcio Intermunicipal da Região Oeste Metropolitana de São Paulo (Cioeste) para defender a possível mudança do Ceagesp para a região. Representantes do governo do estado, responsável pelo projeto, participaram do encontro.

Estão em pauta quatro propostas da iniciativa privada para a construção da “Nova Ceasa”, visando a transferência da Ceagesp, que hoje funciona no bairro da Vila Leopoldina, na Zona Oeste da capital. Duas áreas estão localizadas na região, uma em Santana de Parnaíba e outra na divisa de Barueri com Carapicuíba, onde existia a Lagoa.

O encontro desta terça teve a participação de representantes da empresa FRAL Consultoria, que apresentou projeto para que o Ceagesp fique na área da Lagoa de Carapicuíba.

Publicidade

Área da Lagoa

Entre os atrativos destacados pela empresa estão a área de instalação do entreposto, que ficará na divisa com Barueri, tendo como principais vias próximas a Castello Branco e o Rodoanel. Trata-se de uma área de recuperação ambiental que já tem aprovação da Cetesb, que é pública e não depende de desapropriação.

Outro ponto destacado é a parte de logística, que atende a três modais de acesso (ferroviário, rodoviário e hidroviário), o que viabilizará ainda mais a economia para a região; a geração de empregos diretos, que dobrará da capacidade atual para quase 25 mil empregos, e indiretos podendo chegar a 40 mil, visto que o projeto viabiliza um shopping com 300 lojas, um centro de convenções e um hotel; por fim, está o aumento da arrecadação do ICMS para a região de R$13 bilhões/ano, sendo que só em Carapicuíba esse valor aumentará cerca de cinco vezes, passando dos atuais R$ 76 milhões/ano (2018) para R$ 420 milhões/ano, por exemplo, segundo estudos feitos pela FRAL.

Também foi ressaltada a curta distância do atual Ceasa, aproximadamente 7 km entre São Paulo e a região oeste, o que impactaria pouco na vida dos permissionários e funcionários. Neste projeto, o custo estimado é de R$ 2,3 bilhões.

Decisão sobre mudança deve sair este ano, diz secretário

Um dos representantes do governo do estado no evento, o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, encerrou a reunião com os prefeitos informando que o governador tem interesse de concluir esse processo ainda neste primeiro ano de sua gestão e que a fase agora é de estudos, principalmente na parte logística, considerada fundamental para a definição da mudança.

“Levarei ao governador todos os apontamentos apresentados aqui. A decisão da saída do entreposto do Ceagesp da cidade de São Paulo não vem de agora, mas o governador quer definir isso ainda neste primeiro ano de sua gestão. E no local onde fica o atual Ceagesp será um Centro de Tecnologia, no modelo do Vale do Silício”, complementou o secretário.

“Agora o projeto está em fase de avaliação logística, fundamental para viabilização do projeto pela Secretaria de Logística e Transporte. Outro ponto que está em andamento é sobre a desapropriação de terreno para instalar o novo Ceagesp. Após esses estudos é que frisaremos qual estará mais próximo da modelagem do governo do Estado”, concluiu Vinholi.

Também participaram do encontro, comandado pelo presidente do Cioeste, o prefeito de Itapevi, Igor Soares, os prefeitos de Osasco, Rogério Lins, Barueri, Rubens Furlan; Carapicuíba, Marcos Neves; Santana de Parnaíba, Elvis César; Jandira, Paulo Barufi; Cotia, Rogério Franco; Pirapora do Bom Jesus, Gregório Máglio; e Vargem Grande Paulista, Josué Ramos.

Comentários

6 COMENTÁRIOS

  1. Capitão não sei não , isso vai dar merda !
    Para o entreposto tem terreno , para o Ceagesp não , irão desapropriar ! Tem famílias lá ? Tô achando que sim ! haaaaa são iguais ratos né , sai de um buraco e vão para outro .
    Osasco, sei que vai lucrar pois tem uns dos impostos mais caro do Brasil a contar pelo IPTU ( e diga-se de passagem, descaradamente somos roubados eu comprei o terreno eu construí por que pagar esta porra de imposto)
    Carapicuíba pode arrecadar 1 trilhão por mês , passa ano entra ano e o que vemos e um verdadeiro lixão , assim como aqui em Osasco um descaso total .
    Empregos ! com salário injusto né pois a fome fala mais alto e precisamos comer , mas do outro lado também haverá desemprego e custos para quem optar em vir para nova região.Fico imaginando todo este investimento implantando na Saúde que está um caos , todo dia morrendo gente em corredores dos hospitais , meses para se fazer um exame . Mas ratos só precisa de migalhas né.
    Políticos e planos de saúde são exatamente iguais , só visão números , o resto é “resto”.

  2. Será uma ótima opção para ambas as partes tanto pra nós caminhoneiro e governo e população não a lugar mas apropriado espero com muita satisfação que está obra comece logo

  3. Será fundamental para Carapicuíba, economicamente falando, sem contar que terá vários vagas de emprego , concordo e apoio esse projeto, até que enfim lembrará de nós.

    • Em Carapicuíba, o local sugerido é o antigo lixão. Vai destruir o quê?
      A nota fala que é uma área de “recuperação” ambiental, não de “preservação”.

  4. Excelente o local escolhido. Trará muitos benefícios à região. Com amplos estacionamentos, acessos rodoferroviários, tratamentos de alto nível e com sustentabilidade dos resíduos sólidos gerados com geração de energia elétrica no tratamento e energia solar. Torço para que se confirme o projeto para esta região.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorKeanu Reeves visita Doria
Próximo artigoWhatsApp cria função de convite para adicionar contatos em grupos