Com pastor, CDH tem bate boca

0
Ivan Valente (PSOL) discute com o pastor Marco Feliciano / Foto: José Cruz/ABr

Ivan Valente (PSOL) discute com o pastor Marco Feliciano / Foto: José Cruz/ABr
Ivan Valente (PSOL) discute com o pastor Marco Feliciano / Foto: José Cruz/ABr

publicidade

A primeira sessão da Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara dos Deputados presidida pelo deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) foi tumultuada, marcada por protestos e bate-bocas entre deputados contra e a favor da permanência do evangélico no cargo. Feliciano é conhecido por declarações que ofendem negros e homossexuais.

Deputados contra e a favor de Feliciano discutem na Câmara

Na quarta-feira, 13, durante a primeira reunião comandada por Feliciano na comissão, a todo instante o deputado era interrompido por gritos de ordem dos manifestantes contrários a sua permanência na presidência da comissão. Sem direito a palavra, o deputado Nilmário Miranda (PT-MG), ex-presidente da comissão, se dirigiu à mesa da presidência para protestar. Ele foi acompanhado pelos também petistas Érika Kokay (DF) e Domingos Dutra (MA). Nesse momento, houve troca de insultos e empurrões entre Dutra e o deputado Takaiama (PSC-PR). A favor de Marco Feliciano, o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), também conhecido por suas declarações homofóbicas, provocou os manifestantes.

publicidade

O líder do PSOL, deputado Ivan Valente (SP), pediu que Feliciano abandonasse a presidência para restaurar a normalidade na comissão, mas não foi atendido. “Essa comissão tem 18 anos e isso nunca aconteceu. O que está acontecendo é a desmoralização da comissão”, criticou.

“Temos que ocupar todos os espaços possíveis”

publicidade

O presidente do Conselho de Pastores Evangélicos de Osasco, pastor Reinaldo Mota, diz que concorda com a escolha de um evangélico para a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. No entanto, acredita que a escolha de Marco Feliciano não foi correta.

“Nós, evangélicos, temos que ocupar todos os espaços possíveis e presidir a CDH é um privilégio, mas não sei se foi o melhor nome, pois ele (Feliciano) tem citações que comprometem os evangélicos”, afirma.
Mota diz que o pastor foi “infeliz” em algumas declarações, mas ameniza: “eu entendi o que ele quis dizer e não é exatamente o que ele está falando”, diz, quando questionado sobre as declarações de Marco Feliciano sobre negros e homossexuais. (Fernando Augusto)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLapas busca recursos do governo federal
Próximo artigoNovo papa participará de evento no Rio