Lins recebe apoio de Giglio e Lapas critica “velha política”

0

Eleições//    Início do segundo turno agitou cenário político de Osasco

publicidade

a3938eae-88df-4ba7-a7c9-bc3391c9c69d

3-lins-reproducao

publicidade

A semana após o primeiro turno da eleição foi agitada em Osasco. Rogério Lins (PTN) recebeu o apoio de Celso Giglio (PSDB), que se junta a outro ex-prefeito, Francisco Rossi (PR), no grupo de oposição a Jorge Lapas (PDT), que chamou o projeto adversário de “velha política”.

O prefeito e candidato à reeleição Jorge Lapas agradeceu os mais de 107 mil votos recebidos no primeiro turno e disse que a disputa do segundo turno é entre dois projetos. “O nosso, que é moderno, novo, tem planejamento, objetivo a ser alcançado, e o outro, que representa a velha política, a velha forma de fazer política com alianças”, disse.

publicidade

Lapas concedeu entrevista nesta quinta-feira, 6, e criticou várias vezes a aliança formada em torno de seu adversário, Rogério Lins (PTN). “Sou a favor de alianças, mas não passo dos meus limites éticos e morais para ter o poder. O que estamos vendo é a velha política se repetindo com os mesmos atores, com alguns que enganaram a cidade, alguns que não tiveram respeito pelo funcionalismo”, afirmou.

Além de combater o que chamou de “velha política”, Lapas deixou claro que sua estratégia é capturar votos também de quem não foi votar ou votou nulo e em branco no dia 2. A sua equipe de campanha também mapeia as zonas eleitorais para saber onde reforçar a campanha. O prefeito foi melhor que Lins na Zona Norte, mas foi derrotado em bairros da Zona Sul, como Km 18, Santo Antônio, Bela Vista e Campesina. “Como a gente desenvolveu mais obras na Zona Norte, o eleitor reconhece”, disse Lapas, que também ressaltou realizações do outro lado da ponte, como a duplicada da avenida Visconde de Nova Granada e a UPA do Centro.

Também sobre o apoio de Celso Giglio (PSDB) a Lins, Jorge Lapas disse não acreditar numa transferência automática dos 71 mil votos do tucano, que foi impugnado com base na Lei da Ficha Limpa, para o candidato do PTN.

Reconciliação de ex-prefeitos

Para definir pelo apoio a Rogério Lins no segundo turno, Celso Giglio teve de se reconciliar com o coordenador da campanha dele, Francisco Rossi. “Todos sabem do nosso trajeto, entre tapas e beijos. A gente brigou, reconciliou, brigou, reconciliou… e nos reconciliamos hoje. A gente tem que aparar as arestas”, declarou Rossi.

Os ex-prefeitos estavam rompidos politicamente desde 2012, quando Giglio, impugnado com base na Lei da Ficha Limpa, resistiu às insistências de Rossi para retirar a candidatura a prefeito de Osasco e apoiar a candidatura da filha dele, Ana Paula Rossi, então vice na chapa. Na ocasião, os votos de Giglio foram considerados nulos, assim como nas eleições de domingo.

Além de Giglio, Lins recebeu na quarta, 5, o apoio de lideranças políticas da região, como os prefeitos eleitos de Barueri, Rubens Furlan (PSDB), Itapevi, Igor Soares (PTN), Jandira, Paulo Barufi (PTB), e Cotia, Rogério Franco (PSD).

Nesta quinta, o candidato do PTN recebeu o apoio de outro ex-concorrente: Marcos Arruda (Rede), que obteve 1,48% dos votos válidos na disputa à prefeitura de Osasco. Cláudio Piteri (PPS) e Osvaldo Vergínio (PEN) ainda não divulgaram posicionamento para o segundo turno.

Eleição em Osasco

Rogério Lins (PTN) – 109.705 (39,44%)
Jorge Lapas (PDT) – 107.232 (38,55%)
Claudio Piteri (PPS) – 28.450 (10,23%)
Osvaldo Vergínio (PEN) – 14.734 (5,30%)
Valmir Prascidelli (PT) – 9.850 (3,54%)
Marcos Arruda (REDE) – 4.130 (1,48%)
Solange Pall (PSOL) – 4.088 (1,47%)
*Celso Giglio (PSDB –
impugnado) – 71.657

Comentários